sicnot

Perfil

Cultura

Plácido Domingo "bastante feliz" por atuar em Macau 15 anos depois do primeiro convite

O tenor espanhol Plácido Domingo vai atuar pela primeira vez em Macau, no sábado, e manifestou-se "bastante feliz" por finalmente realizar o concerto que era para ter acontecido há 15 anos, aquando da transição de Portugal para a China.

© Mario Anzuoni / Reuters

"Estou bastante feliz. É muito especial para mim conseguir estar em Macau, porque fui convidado para vir cá quando foi a transição para a China (em 1999), mas não pude vir porque não estava livre nessa altura. E desde então lamento isso, porque há ocasiões muito especiais e essa era uma ocasião muito especial: estar aqui a cantar para o público numa data tão significativa", disse hoje em conferência de imprensa.

Plácido Domingo chegou a Macau depois de um concerto em Tóquio, onde atuou para cerca de 5.000 pessoas. No sábado vai atuar no Centro Cultural de Macau com as sopranos Virginia Tola (Argentina) e Micaela Oeste (EUA) para um máximo de 1.100 espetadores, mas para o mais famoso cantor de ópera da sua geração "é muito importante fazer com que o público fique contente".

"Depois de cantar há tantos, tantos anos, para mim é verdadeiramente entusiasmante cantar num sítio pela primeira vez. Penso que o público tem o direito de descobrir, e mesmo que as pessoas tenham ouvido os discos ou que me tenham visto na televisão, aqui muita gente vai provavelmente ouvir-me pela primeira vez e o mais importante é estar em muito boa forma e sentir um certo tipo de ligação", descreveu.

Em Macau, cidade que descreveu como "fenomenal", Plácido Domingo mostrou interesse em visitar o Dom Pedro V depois de saber que foi o primeiro teatro de estilo ocidental a ser erigido na China e por onde já passaram várias óperas.

Sobre o público chinês, o músico disse ter ficado maravilhado com o entusiasmo da audiência tanto quando fez a sua estreia no país há 27 anos, como nos seus mais recentes concertos.

"Há quatro dias eu estava a cantar Simón Bocanegra em Pequim - que é uma ópera que provavelmente estava a ser ouvida pela primeira vez, não é internacionalmente conhecida -, mas foi extraordinário. Por isso a música está a chegar à alma e aos corações dos chineses", afirmou, enaltecendo também "o extraordinário número de cantores" da China que nos últimos anos tem atuado nos teatros mais conhecidos em todo o mundo.

"E tenho o orgulho de dizer que quatro ou cinco cantores foram vencedores na Operalia", acrescentou, referindo-se à competição de canto que criou.

Plácido Domingo recordou também os espetáculos em Portugal, nomeadamente no Teatro São Carlos: "Espero voltar. O amor do público português pela ópera é grande".

Conhecido como "um dos três tenores", Plácido Domingo interpretou mais de 144 obras clássicas, dos compositores Giacomo Puccini, Richard Wagner e Giuseppe Verdi, entre outros.

O tenor, que gravou mais de cem álbuns, alguns dos quais com mais de um milhão de cópias vendidas, recebeu 12 prémios Grammy.

Reino Unido, Estados Unidos ou França atribuíram-lhe medalhas em reconhecimento pelo seu talento musical e pela contribuição e apoio à música.

O concerto "Domingo e a Orquestra de Macau" é coorganizado pelo Instituto Cultural e pela Direção dos Serviços de Turismo, com o apoio do MGM Macau.

Depois de Macau, Plácido Domingo tem concertos agendados nos Estados Unidos em Los Angeles e na capital do jogo norte-americana Las Vegas, em setembro.

Lusa

  • Coutinho e Neymar salvam Brasil já na compensação

    Mundial 2018 / Brasil

    O Brasil venceu a Costa Rica por 2-0 numa partida a contar para a 2ª jornada do grupo E do Mundial da Rússia. Contas feitas, o Brasil sobe para o primeiro lugar do grupo, com 4 pontos, seguido da Sérvia com 3 pontos. A Suíça (1 ponto) e a Costa Rica (0 pontos) ocupam, assim, os últimos lugares da tabela.

  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • Moutinho e Raphael Guerreiro de "baixa", Fonte disponível "para tocar bombo"
    1:52
  • Mulher morre após ser mandada para casa pelo Centro Hospitalar do Oeste
    2:23

    País

    Uma mulher morreu depois de ter tido alta no Centro Hospitalar do Oeste. Há fortes suspeitas que tenha sido vítima de um diagnóstico mal feito por uma empresa de telemedicina. O Bastonário da Ordem dos Médicos quer avaliar todos os contratos do Estado com serviços de telemedicina e impedir que as empresas e os hospitais fujam às responsabilidades. Até agora ninguém foi responsabilizado, a família apresentou várias queixas e Entidade Reguladora da Saúde abriu um inquérito.

  • Antigo campeão nacional de Ori-BTT, de 19 anos, morreu em colisão com carro
    1:42

    País

    Um ciclista de 19 anos morreu e o pai ficou gravemente ferido, numa colisão com uma viatura que fazia uma inversão de marcha, em Loulé, na quarta-feira. Quando o acidente aconteceu, o jovem estava a treinar para um campeonato na Hungria, onde ia participar dentro de poucos dias. Duarte Lourenço, que chegou a ser campeão nacional de Ori-BTT, pertencia ao escalão de Juniores, devido à sua idade, mas por vontade própria fazia escalão Sénior.