sicnot

Perfil

Cultura

Primeiro-ministro do Camboja apoia filme de Angelina Jolie sobre regime Khmer Vermelho

O primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, manifestou o seu apoio ao filme que a atriz Angelina Jolie vai dirigir e produzir no país asiático em novembro sobre o regime genocida do Khmer Vermelho, informou hoje a imprensa local.

© Pring Samrang / Reuters

A atriz, que se reuniu com Hun Sem na quinta-feira, vai fazer uma adaptação do livro "First They Killed My Father" ("Primeiro Eles Mataram o Meu Pai"), em que o ativista dos direitos humanos Loung Ung lembra os horrores vividos durante o regime que provocou quase dois milhões de mortos entre 1975 e 1979.

"(Hun Sen) mostrou o seu apoio ao filme, e disse que vai servir para ensinar a verdade às futuras gerações", disse o porta-voz do primeiro-ministro, Eang Sophalleth, ao diário Phnom Penh Post.

Sophalleth afirmou que Angelina Jolie garantiu que o filme "não mostrará apenas a crueldade da sociedade cambojana, mas também a vida das pessoas, a cultura tradicional e o amor dos pais pelos seus filhos".

Segundo o porta-voz, o primeiro-ministro também mostrou o seu apoio ao projeto social que a fundação Maddox Jolie-Pitt leva a cabo na província de Battambang, no noroeste do Camboja.

Angelina Jolie, que tem a nacionalidade cambojana desde 2005 por decreto real, disse em julho que o filme vai ajudar o seu filho adotivo Maddox a conhecer mais em profundidade a sua terra natal.

No poder há cerca de 30 anos, Hun Sen militou no Khmer Vermelho, à semelhança de outros quadros do Governo do Camboja, até que em 1978 desertou e juntou-se à ofensiva vietnamita que derrubou o regime maoísta em 1979.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.