sicnot

Perfil

Cultura

Primeiro-ministro do Camboja apoia filme de Angelina Jolie sobre regime Khmer Vermelho

O primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, manifestou o seu apoio ao filme que a atriz Angelina Jolie vai dirigir e produzir no país asiático em novembro sobre o regime genocida do Khmer Vermelho, informou hoje a imprensa local.

© Pring Samrang / Reuters

A atriz, que se reuniu com Hun Sem na quinta-feira, vai fazer uma adaptação do livro "First They Killed My Father" ("Primeiro Eles Mataram o Meu Pai"), em que o ativista dos direitos humanos Loung Ung lembra os horrores vividos durante o regime que provocou quase dois milhões de mortos entre 1975 e 1979.

"(Hun Sen) mostrou o seu apoio ao filme, e disse que vai servir para ensinar a verdade às futuras gerações", disse o porta-voz do primeiro-ministro, Eang Sophalleth, ao diário Phnom Penh Post.

Sophalleth afirmou que Angelina Jolie garantiu que o filme "não mostrará apenas a crueldade da sociedade cambojana, mas também a vida das pessoas, a cultura tradicional e o amor dos pais pelos seus filhos".

Segundo o porta-voz, o primeiro-ministro também mostrou o seu apoio ao projeto social que a fundação Maddox Jolie-Pitt leva a cabo na província de Battambang, no noroeste do Camboja.

Angelina Jolie, que tem a nacionalidade cambojana desde 2005 por decreto real, disse em julho que o filme vai ajudar o seu filho adotivo Maddox a conhecer mais em profundidade a sua terra natal.

No poder há cerca de 30 anos, Hun Sen militou no Khmer Vermelho, à semelhança de outros quadros do Governo do Camboja, até que em 1978 desertou e juntou-se à ofensiva vietnamita que derrubou o regime maoísta em 1979.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.