sicnot

Perfil

Cultura

Coreografia "Tenir le Temps" sobre controlo em sociedades velozes estreia no CCB

O espetáculo de dança "Tenir le Temps", do coreógrafo francês Rachid Ouramdane, sobre o controlo exercido nas sociedades velozes, vai ter estreia em Portugal no fim de semana, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

ccb.pt

ccb.pt

De acordo com a programação cultural do centro, o espetáculo - teve estreia mundial em julho deste ano no Festival Montpellier Danse - será apresentado no grande auditório do CCB, no sábado, às 21:00, e no domingo, às 18:00.

Com conceção e coreografia de Rachid Ouramdane - cujo trabalho tem habitualmente um cunho político - a peça coreográfica tem música original de Jean-Baptiste Julien, luz de Stéphane Graillot e figurinos La Bourette.

Em "Tenir le Temps", o coreógrafo francês entra numa complexidade abstrata, onde o movimento quotidiano é o personagem principal, com a música, eletrónica e minimal a marcar o ritmo dos bailarinos.

"Quem tem o controlo sobre o quê nas sociedades velozes de hoje em dia?" é a reflexão que Rachid Ouramdane pretende provocar com este espetáculo, peça para 16 bailarinos, estreada em julho passado no Festival Montpellier Danse.

A interpretação é de Fernando Carrion, Jacquelyn Elder, Annie Hanauer, Alexis Jestin, Lora Juodkaite, Arina Lannoo, Sébastien Ledig, Lucille Mansas, Yu Otagaki, Mayalen Otondo, Saïef Remmide, Alexandra Rogovska, Ruben Sanchez, Sandra Savin, Leandro Villavicencio e Aure Wachter.

Após uma formação no Centro Nacional de Dança Contemporânea de Angers, Rachid Ouramdane começou um percurso como coreógrafo e performer que o levou a trabalhar em França e no estrangeiro com artistas como Meg Stuart, Emmanuelle Huynh, Odile Duboc, Christian Rizzo, Hervé Robbe, Alain Buffard ou Julie Nioche.

Também trabalhou para instituições como a Ópera de Lyon, a companhia russa Migrazia ou a Candoco Dance Company, do Reino Unido.

A peça "Sfumato", que criou em 2012, evoca os horrores das alterações climáticas.

Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.