sicnot

Perfil

Cultura

"Lisboa é very very typical", uma antologia de BD de estrangeiros em Portugal

Cerca de uma dezena de autores estrangeiros, que vivem ou trabalharam em Portugal, aceitaram fazer uma curta banda desenhada para uma antologia, intitulada "Lisboa é very very typical", editada este mês pela Associação Chili Com Carne.

Esta antologia é o segundo volume de uma coletânea de BD criada por aquela associação e cujo primeiro volume, intitulado "Zona de Desconforto", saiu em 2014 e foi premiado no festival AmadoraBD como o melhor álbum de BD do mercado português.

Se "Zona de Desconforto" somava histórias de autores portugueses que foram viver, estudar ou trabalhar para o estrangeiro, "Lisboa é very very typical" tem uma permissa contrária: estrangeiros que escolheram Portugal.

"Passado um ano e dado o sucesso que obtivemos com 'Zona de Desconforto', pensamos que seria um bom desafio juntar estrangeiros que vivem ou viveram em Portugal. Plano arriscado! Há assim tantos autores que tenham passado por cá? E que queiram arriscar a fazer uma BD? Há! E muitos!", afirma a associação Chili Com Carne, na nota de apresentação.

A antologia reúne 12 autores de nove países, que narram experiências em Lisboa. Entre eles estão Anica Govedarica, croata que vive em Portugal, a ilustradora colombiana Dileydi Florez, que vive em Lisboa e publicou este ano a primeira banda desenhada, "Askar, o General", e a luso-suíça Aude Barrio, que se divide entre Genebra e Lisboa.

Alain Corbel, o autor francês que tem basta obra publicada - e premiada - em Portugal, a espanhola Martina Manyà, que se fixou em Portugal depois de ter feito o programa Erasmus, e o ilustrador romeno Nicolae Negura também fazem parte da antologia. A capa é do autor alemão Lars Henkel.

"Lisboa é very very typical" é lançado hoje na galeria Zaratan - Arte Contemporânea, em Lisboa.

Os originais do livro estão expostos no festival AmadoraBD, incluídos na exposição dedicada à antologia "Zona de Desconforto", premiada em 2014.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26