sicnot

Perfil

Cultura

Filme "Mustang" vence Prémio Lux 2015 do Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu atribuiu hoje o Prémio Lux 2015 ao filme "Mustang", da cineasta turca Deniz Gamze Erguven, anunciou o presidente da assembleia, Martin Schulz, durante a sessão plenária que decorre em Estrasburgo, França.

PATRICK SEEGER

Os filmes "Mediterranea", a primeira longa-metragem do realizador italiano Jonas Carpignano, e "Urok" ("A lição"), dos búlgaros Kristina Grozeva e Petar Valchanov, eram os outros dois finalistas da edição deste ano do Prémio Lux, atribuído pelo Parlamento Europeu desde 2007, como reconhecimento dos filmes europeus que realçam a identidade e a diversidade cultural europeias.

"Mustang", uma coprodução de França, Alemanha, Turquia e Qatar, aborda a questão dos casamentos forçados, contando a história de cinco irmãs na Turquia que se querem libertar da opressão e viver a sua vida.

Na cerimónia de entrega do prémio, o presidente do Parlamento Europeu referiu-se aos recentes atentados em Paris e à ameaça de terrorismo que paira sobre os países europeus, afirmando que, num momento em que "os inimigos da cultura" estão a tentar atacar a Europa, é "essencial destacar o respeito mútuo na diversidade".

"Neste momento em que precisamos de luz, o prémio Lux é, sem dúvida, um prémio importante", afirmou Martin Schulz, destacando o facto de os três filmes finalistas à edição deste ano do galardão levantarem "questões fundamentais".

"Como deve o nosso continente de emigração mudar para se tornar num continente de imigração? Qual o papel das mulheres em sociedades às nossas portas? De que modo está a crise económica a afetar a nossa vida em conjunto? Estes filmes europeus merecem o nosso apoio. Orgulho-me de que o Parlamento Europeu esteja a ajudar mais uma vez este ano a divulgá-los o mais amplamente possível", declarou.

Instituído em 2007, e atribuído anualmente, o prémio Lux visa promover os filmes produzidos na Europa que contribuam para fomentar a identidade e a diversidade cultural europeias, sendo o filme vencedor escolhido pelos eurodeputados, que participam na votação realizada nas semanas que antecedem a entrega do prémio.

Em 2014, o vencedor do galardão de cinema do Parlamento Europeu foi o filme "Ida", de Pawel Pawlikowski (Polónia, Dinamarca).

Portugal já marcou presença na fase final do prémio Lux através de "Tabú", do realizador português Miguel Gomes, em 2012, e de "Belle Toujours", de Manoel de Oliveira, em 2007.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.