sicnot

Perfil

Cultura

Câmara do Porto promete mais cultura nos bairros

O presidente da Câmara do Porto revelou hoje que a iniciativa Cultura em Expansão, que leva eventos culturais aos bairros da cidade, vai continuar "com mais força" e ter uma componente de "programação permanente" no antigo Matadouro Municipal.

(arquivo)

(arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

"Este é um projeto que vai continuar ainda com mais força, com parceiros privados e envolvendo muitas parcerias. Aliás, no investimento que vamos anunciar brevemente para o Matadouro, esta será uma das componentes -- será uma das programações permanentes", adiantou Rui Moreira, em declarações à Lusa.

O autarca, que assumiu o pelouro da Cultura depois da morte do vereador Paulo Cunha e Silva, falava no bairro da Pasteleira, antes de ver "O Baile", um espetáculo da coreógrafa Aldara Bizarro com a participação de sete bailarinos profissionais, cerca de 30 moradores da Pasteleira e músicos da Banda Marcial da Foz do Douro, que assinalou hoje o encerramento da segunda edição do Cultura em Expansão.

"Este é um dos projetos mais marcantes da cultura no Porto, da ligação às comunidades às associações, aos bairros, à inclusão. É a Cultura como o princípio de tudo, na sua ligação à coesão social e à economia", notou Rui Moreira.

O presidente independente referiu ainda a intenção de "criar espetáculos nos bairros e integrá-los na programação da cidade", numa ligação "biunívoca" que a Câmara promete "não abandonar".

"O projeto não pode ser, de vez em quando, a Cultura vir aos bairros. A Cultura pode também desenvolver-se nos bairros e envolver-se na cidade", explicou.

"Esta destruição das barreiras e dos muros é uma grande prioridade", acrescentou.

Para Moreira, "este projeto não pode ser efémero".

"Estes projetos foram já testados na Porto 2001 [Capital Europeia da Cultura], mas foram descontinuados. A partir do momento em que reatamos esta tradição, não a podemos abandonar", frisou.

De acordo com o presidente da Câmara, o Cultura em Expansão vai, em 2016, "continuar a percorrer" os bairros mas pretende conquistar "algumas âncoras" fora deles.

O edifício do Matadouro será uma delas, esclareceu o autarca.

A edição de 2015 do Cultura e Expansão contou com cerca de 40 eventos e, entre outras coisas, levou música ao bairro do Certo e teatro à ilha municipal da Bela Vista.

Hoje, Rui Moreira participou também na "festa" de despedido do edifício Axa, que desde 2013 era usado pela Câmara para atividades culturais mas vai ser, em dezembro, devolvido aos proprietários.

Num balanço feito este mês num comunicado, a Câmara contabilizou "900 dias de portas abertas, mais de 300 eventos gratuitos e perto de meio milhão de visitantes".

Devido ao encerramento do Axa, a Câmara do Porto começou hoje a ocupar um novo espaço devoluto na Avenida dos Aliados: a antiga dependência do Banco Montepio recebe este fim de semana o "Up Street Porto", um mercado com obras de "mais de 20 dos principais artistas do 'street art' e da ilustração".

Lusa

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.