sicnot

Perfil

Cultura

O Bando estreia "Ausência" sobre o vazio que fica com a emigração

Fixar a imagem do vazio que fica quando alguém emigra, foi o ponto de partida da peça "Ausência", que O Bando estreia na quinta-feira, em Palmela, disse à Lusa fonte da companhia.

cm-palmela.pt

cm-palmela.pt

Vocacionada para a infância e juventude, mas também para os adultos, a peça assenta num trabalho realizado por Isabel Atalaia, em colaboração com escolas do concelho, muitas das quais rurais, que consistiu na captação de fotografias nas quais as crianças revissem o conceito de falta, ou da noção que elas têm do que está ausentes, já que muitas dessas crianças têm alguém da família ou conhecido que partiu, explicou à Lusa Raul Atalaia, cooperante e um dos elementos da direção da cooperativa O Bando e um dos intérpretes de "Ausência".

"Todos sabiam o que é a ausência, explica-lo é que não era de todo fácil", referiu, acrescentando que o texto, da autoria de João Neca -- o outro ator da peça -- trabalhou depois sobre essa ideia da pessoa que se desloca assim como da relação que ela tem do lugar de onde vem e para onde vai.

São pessoas que "estão ocupadas com a lembrança do que deixam e a esperança do local para onde vão", razão por que, também por isso, este é um espetáculo feito com grandes condições de mobilidade porque é um espetáculo sobre "um viajante em busca de um território", precisou Raul Atalaia.

Para o ator, que é também o responsável pela área de internacionalização da companhia, a mobilidade que pauta toda a conceção do espetáculo visa também levar a peça às escolas, "uma forma de devolver à comunidade" aquilo que ela já lhes deu.

"Ausência" é uma coprodução internacional com o Dynamo Théâtre de Montreal (Canadá) no âmbito de um projeto que a companhia com sede em Palmela desenvolve há três anos com cinco companhias de teatro estrangeiras em torno de temas como pobreza, migrações e movimentação de pessoas pelo mundo.

Além da companhia portuguesa, o projeto, que obteve apoio da Comissão Europeia, mobiliza uma companhia de Itália, uma de Inglaterra, duas do Canadá (Montreal e Vancover) e uma australiana.

"Ausência" tem direção de Nicolas Brites e é uma cocriação de Jacqueline Gosselin, do Dynamo Théâtre, que há cerca de duas semanas, estreou, em Montreal, a peça "Immigrant d´intérieur" , no qual Nicolas Brites foi cocriador.

A peça, com cenografia de João Brites, música de Jorge Salgueiro e figurino e adereços de Clara Bento, vai estar em cena de quinta-feira a sábado, às 21:00, e aos domingos, às 17:00, até 13 de dezembro.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa