sicnot

Perfil

Cultura

Morreu a atriz brasileira Marília Pêra

A atriz brasileira Marília Pêra, de 72 anos, morreu hoje em casa, no Rio de Janeiro, divulgaram hoje os meios de comunicação no Brasil.

https://www.facebook.com/Maruschkando/

https://www.facebook.com/Maruschkando/

De acordo com o site de notícias brasileiro G1, Marília Pêra - que foi atriz, encenadora, cantora e bailarina - participou em mais de 50 peças de teatro, cerca de 30 filmes e 40 novelas, que a tornaram conhecida do público brasileiro e internacional.

A atriz passava por um tratamento para um desgaste ósseo na região lombar, que a fez afastar-se do trabalho por um ano e interromper a sua participação nas gravações da série "Pé na Cova", da TV Globo, o seu último trabalho.

Marília Soares Pêra nasceu a 22 de janeiro de 1943, no bairro do Rio Comprido, no Rio de Janeiro.

Num depoimento ao site Memória Globo, a atriz contou que se "estreou" aos 19 dias de vida: "Minha mãe diz que eu entrei no colo de uma atriz, amiga dela, numa peça em que precisavam de um bebé".

O início oficial da carreira artística, contudo, começou com apenas 4 anos de idade, num espetáculo em que partilhou uma cena com os pais, Manoel Pêra e Dinorah Mazullo. Na montagem de "Medeia", de Eurípedes, encenada pela Companhia de Henriette Morineau, atuou como uma das filhas da personagem principal.

Marília Pêra participou em novelas de grande sucesso como "Beto Rockfeller" (1968), "Uma rosa com amor" (1972), "Brega & Chique" (1987), "Cobras & Lagartos" (2006), "Ti-Ti-Ti" (2011) e nas séries "O Primo Basílio" (1988) e "Os Maias (2001), dois dos seus trabalhos favoritos.

No cinema, Marília Pêra destacou-se em "Pixote, a lei do mais fraco" (1980), de Hector Babenco; "Bar Esperança" (1983); de Hugo Carvana; "Anjos da noite" (1986), de Wilson Barros; "Dias melhores virão" (1988) e "Tieta do Agreste" (1995), de Cacá Diegues; "Central do Brasil" (1996), de Walter Salles; e "O Viajante" (1998), de Paulo César Saraceni.

No teatro, ganhou duas vezes o Prémio Molière (Brasil): em 1974, por "Apareceu a Margarida", e em 1984, por "Brincando em cima daquilo".

Como diretora, esteve por trás de uma das peças de maior sucesso do Brasil, "Irma Vap", que ficou em cartaz por mais de dez anos, com Marco Nanini e Ney Latorraca como protagonistas.

Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43