sicnot

Perfil

Cultura

Filme "John From" estreia em Portugal a 17 de março

A segunda longa-metragem do realizador português João Nicolau, intitulada "John From", vai ter estreia em Portugal a 17 de março de 2016, com distribuição pela produtora O Som e a Fúria, foi hoje anunciado.

Exibidora Socorama Cinemas SA no final  de janeiro, encerrou as 49 salas de cinema que explorava em centros comerciais daquele grupo em todo o país por abrir falência

Exibidora Socorama Cinemas SA no final  de janeiro, encerrou as 49 salas de cinema que explorava em centros comerciais daquele grupo em todo o país por abrir falência

Reed Saxon

"John From" é coproduzido por O Som e a Fúria e pela produtora francesa Shellac Sud, e deverá estrear em França em abril de 2016.

A nova longa-metragem de João Nicolau é protagonizada pelas jovens atrizes Júlia Palha e Clara Riedenstein, e conta também, no elenco, com os atores Filipe Vargas, Leonor Silveira e Adriano Luz.

O filme procura auscultar a lógica e as metamorfoses da paixão juvenil, sendo "assumidamente pudico e lúdico", segundo uma descrição do realizador, que assinou também "Gambuzinos", uma curta-metragem premiada em Cannes na Quinzena dos Realizadores, em 2013.

A longa-metragem gira em torno de Rita, uma jovem de 15 anos que tem o verão à sua frente e um "ex-futuro" namorado, que faz tranças e vai a festas onde as mostrar.

"Muito naturalmente, de Portugal ao Pacífico Sul, esta fortaleza desaba com doçura quando a adolescente vê a exposição que um novo vizinho apresenta no centro comunitário do bairro", acrescenta uma nota da produtora, sobre este trabalho de João Nicolau.

"Gambozinos" (2013), "O dom das lágrimas" (2012), "A espada e a rosa", longa-metragem de ficção (2010), "Canção de amor e saúde" (2009) e "Rapace", curta-metragem de 2006, são outros trabalhos de João Nicolau, que aborda regularmente os universos da infância e da adolescência.

"John From" já foi selecionado e exibido este ano em vários festivais de cinema, nomeadamente em França, Itália e Espanha.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.