sicnot

Perfil

Cultura

Ministro da Cultura diz que "está tudo em aberto" quanto ao destino da coleção Miró

O ministro da Cultura afirmou hoje que "está tudo em aberto" quanto ao destino dos quadros de Miró, apontando como prioridade a inventariação da coleção, que tanto pode ficar "depositada" a Norte como a Sul.

(Reuters)

(Reuters)

[REUTERS]

Em Braga, à margem da inauguração do Centro Interpretativo das Memórias da Misericórdia de Braga, João Soares explicou que, se aqueles 85 quadros do pintor espanhol - que pertenciam ao antigo BPN e estão agora à guarda do Estado - ficarem depositados em Lisboa, a primeira exposição deve ser no Porto e vice-versa.

O titular da pasta da Cultura disse ainda haver uma "disponibilidade muito grande" do ministério que dirige para "dialogar" com autarquias, igreja, Misericórdias e outras instituições para encontrar soluções "mais ajustadas" para valorizar o acervo patrimonial do páis.

"Está tudo em aberto", concluiu João Soares, quando questionado sobre o destino da coleção de quadros de Miró.

"Se o acervo do Miró ficar depositado em Lisboa, como espero que possa ficar num espaço nacional, a primeira exposição deve ter lugar no Norte do país para que ele seja inventariado, coisa que ainda não foi, ao longo de tantos anos ainda não foi inventariado. Se o acervo vier a ficar no Porto, também há possibilidades que ele possa ficar no Porto ou no Norte do país, a primeira exposição se deve fazer no sul do país", explicou

Na inauguração de uma obra que considerou "muitíssimo importante", o restauro do Palácio do Raio, em Braga, fruto do trabalho conjunto da autarquia bracarense e da Santa Casa da Misericórdia, João Soares salientou a importância da "colaboração" entre Estado, autarquias e outras instituições.

"É nesta lógica de cooperação com santas casas e com o poder local que nós queremos continuar a trabalhar", disse.

"Há uma disponibilidade muito grande do atual Ministério da Cultura para dialogar com as autarquias, misericórdias, com outras entidades, com a Igreja, para poder encontrar soluções que sejam as mais ajustadas para o imenso património que temos na nossa terra, numa perspetiva de valorização desse acervo, que é parte da nossa identidade enquanto país e enquanto povo, e para a multiplicação dos recursos que podem ser gerados", referiu.

O Palácio do Raio, onde está agora instalado o Centro Interpretativo das Memórias da Santa Casa da Misericórdia, projetado pelo arquiteto bracarense André Soares, foi contruído entre 1752 e 1755, sendo um dos mais emblemáticos edifícios do barroco de Braga, e pertencia ao complexo do antigo Hospital de S. Marcos, que dali saiu em 2011.

O restauro do edifício e a instalação daquele centro interpretativo tiveram um custo de 4,2 ME, financiado pelo Programa Operacional Regional do Norte e através do Fundo Jéssica.

Pelas salas do Palácio é agora possível ver mais de 500 anos da história da Misericórdia de Braga, havendo ainda salas disponíveis para exposições temporárias.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.