sicnot

Perfil

Cultura

Morreu o cantor norte-americano de soul Otis Clay

O cantor norte-americano Otis Clay, que entre os 1960 e 1980 se destacou na cena da música soul, blues e gospel, morreu na sexta-feira, aos 73 anos, anunciou a agência que o representava.

Nascido numa família religiosa de sólida formação musical, Otis Clay mudou-se para Chicago na adolescência, onde se juntou, nos anos 1960, aos Famous Blue Jay Singers, que cantavam a capella para audiências maioritariamente brancas. (Arquivo)

Nascido numa família religiosa de sólida formação musical, Otis Clay mudou-se para Chicago na adolescência, onde se juntou, nos anos 1960, aos Famous Blue Jay Singers, que cantavam a capella para audiências maioritariamente brancas. (Arquivo)

AP

Otis Clay, "faleceu inesperadamente de um ataque cardíaco", indicou a agência Heart&Soul sobre o cantor nascido em 1942, em Waxhaw, no Mississipi, nos Estados Unidos.

Clay assinou êxitos como "That's How It Is (When You're in Love)" e "Trying to Live My Life Without You" e tornou-se uma referência para músicos de soul e blues em Chicago, onde também tocaram alguns dos seus ídolos, como Muddy Waters e Sam Cooke.

Nascido numa família religiosa de sólida formação musical, Otis Clay mudou-se para Chicago na adolescência, onde se juntou, nos anos 1960, aos Famous Blue Jay Singers, que cantavam a capella para audiências maioritariamente brancas.

Em 2007, Clay recebeu uma nomeação para um Grammy pelo disco de gospel "Walk a Mile in My Shoes".

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22