sicnot

Perfil

Cultura

Lego muda de política após controvérsia com artista dissidente chinês Ai Weiwei

O fabricante dos populares 'Legos' comprometeu-se a não voltar a interferir nos projetos dos seus clientes, na sequência de uma controvérsia com o artista dissidente chinês Ai Weiwei.

Thomas Borberg

A empresa dinamarquesa, que produz os pequenos 'tijolos' de plástico, entrou numa acesa polémica nas redes sociais durante o outono passado, após ter recusado fornecer 'Legos' a Ai Weiwei, alegando que "não podia aprovar a sua utilização em obras de cariz político".

Terça-feira à noite, a Lego anunciou que, a partir do corrente mês, deixa de exigir conhecer o destino das suas peças, algo normal quando as vendia em grandes quantidades, a fim de evitar "mal entendidos".

No caso de desejarem apresentar publicamente o trabalho feito com as peças, os clientes devem, contudo, deixar claro que o grupo Lego não apoia ou necessariamente aprova os projetos em causa.

Pintor, escultor e artista plástico, Ai Weiwei também é conhecido pelas suas críticas ao governo chinês, tendo usado, em 2014, peças Lego para criar retratos gigantes de dissidentes políticos de todo o mundo, expostos na antiga prisão de Alcatraz, nos EUA.

Ao conhecer a decisão da empresa dinamarquesa, o artista escreveu na rede social Twitter: "Linda decisão # liberdade de expressão".

Lusa

  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.