sicnot

Perfil

Cultura

Restos mortais de Pablo Neruda vão voltar a ser enterrados

Os restos mortais do poeta chileno e Nobel da Literatura Pablo Neruda, exumados em 2013 para apurar se foi assassinado por agentes da ditadura de Augusto Pinochet, vão voltar a ser enterrados, segundo decisão judicial hoje divulgada.

© Eliseo Fernandez / Reuters

Os restos mortais vão ser entregues ao serviço de medicina legal a 26 de abril para voltarem a ser enterrados na Ilha Negra, na costa central do Chile, última residência do poeta.

"É indispensável que não se prolongue mais do que o tempo necessário a disposição dos restos mortais ao tribunal", decidiu o juiz Mario Carroza, que dirige o inquérito.

Segundo o juiz, a "totalidade das ações científicas decretadas já foram realizadas".

O juiz explicou que falta realizar uma última análise para identificar se o poeta inoculou algum tipo de vírus ou bactéria e para tal apenas são necessárias amostras de osso.

A certidão de óbito escrita então pela junta militar refere que Pablo Neruda, membro do Partido Comunista, morreu de cancro na próstata a 23 de novembro de 1973, 12 dias depois do golpe que derrubou o Presidente Salvador Allende e instalou a ditadura de Augusto Pinochet, que provocou mais de 3.200 mortos até 1990.

Mas, o motorista do poeta, Manuel Araya, referiu que Pablo Neruda morreu na sequência de uma vacina que tomou antes de viajar para o México, para onde pretendia exilar, para liderar a oposição a Pinochet.

Em maio de 2014, uma equipa de investigadores espanhóis revelou a presença de bactéria Staphylococcus aureus, que pode provocar graves infeções, incluindo endocardite, infeção no coração.

Nos últimos meses, outros especialistas internacionais lançaram um trabalho de análise mais aprofundada aos resultados e as suas conclusões deverão ser divulgadas em breve.

Lusa

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06

    País

    A SIC teve acesso a comunicações entre operacionais que estavam no terreno a combater os incêndios no distrito de Viseu. Nestes registos áudio, é percetível a falta de meios no terreno ou até mesmo estradas que não foram cortadas porque não havia elementos da GNR disponíveis.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47