sicnot

Perfil

Cultura

Paris expõe Helena Almeida para lhe dar "a atenção há muito tempo merecida"

O Museu Jeu de Paume, em Paris, apresenta a primeira retrospetiva em França da artista portuguesa Helena Almeida, para "dar a atenção há muito tempo merecida a uma obra que parece cada vez mais relevante", disse o curador à Lusa.

Parte interior do museu que irá acolher a obra de Helena Almeida.

Parte interior do museu que irá acolher a obra de Helena Almeida.

© Charles Platiau / Reuters

A exposição, que abre ao público na terça-feira, foi montada pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, que a exibiu de 16 de outubro a 10 de janeiro, sendo comissariada pelo diretor-adjunto do museu de Serralves, João Ribas, e pela curadora Marta Moreira de Almeida.

"Diria dar a atenção há muito tempo merecida a uma obra que parece cada vez mais relevante, mais contemporânea e que já juntava tendências que agora são de grande interesse no contexto da arte contemporânea", descreveu à Lusa João Ribas, na visita à imprensa, realizada hoje, em Paris. "Ela sempre foi uma artista internacional e esta retrospetiva existe porque há um grande interesse em saber mais e conhecer mais", acrescentou.

João Ribas destacou que Helena Almeida "certamente não é conhecida como em Portugal", mesmo que o público francês possa conhecer, "talvez, as pinturas habitadas, que são obras de grande referência na arte contemporânea portuguesa e internacional".

O diretor de Serralves arrisca dizer que "é impossível escrever uma história da fotografia, uma história da performance, seja no contexto português ou no contexto internacional, sem incluir o trabalho de Helena Almeida (...) Também queríamos destacar que é uma artista que continua a trabalhar hoje em dia, que trabalha todos os dias", afirmou.

O diretor-adjunto de Serralves acrescentou que a mostra em Paris surgiu do "grande interesse de museus internacionais", lembrando que a exposição também vai estar no Centro de Arte Contemporânea WIELS, em Bruxelas, de 10 de setembro a 11 de dezembro.

Em Serralves, a exposição chamou-se "Helena Almeida: A minha obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra", mas, para a itinerância, foi escolhido o título "Corpus", para cruzar "a ideia de um corpo de trabalho", enquanto retrospetiva, com "a referência ao corpo como um elemento principal no trabalho da Helena Almeida", e porque é "uma palavra que funciona em quase todas as línguas, por causa da relação com o latim".

A mostra, "concebida como uma grande performance", reúne obras de fotografia, pintura, vídeo e desenho, da década de 1960 a 2012, acompanhando a evolução da artista portuguesa que "habitou" as suas pinturas, ao trabalhá-las a partir da fotografia, e que "sempre testou os limites" dos diferentes meios de expressão plástica.

A curadora Marta Moreira de Almeida declarou à Lusa que acha que "a exposição vai ser um sucesso", tendo em conta as visitas preliminares à imprensa e a convidados 'vip', sublinhando que "é com grande satisfação" que vê "esta adesão do público", face "a uma obra fresca, leve, radical".

"As pessoas gostam e entendem a obra dela com uma certa facilidade, sentem-se próximas", acrescentou.

Durante a visita à imprensa, esteve presente a escritora belga Amélie Nothomb, uma das figuras mais mediáticas da cena literária francesa, que desconhecia o trabalho de Helena Almeida que classificou como "largamente mais contemporânea que Louise Bourgeois".

"Ela é incrivelmente contemporânea. Quando olhamos para as datas das obras - a maior parte dos anos 70 - parece que foram feitas anteontem. Está mesmo na vanguarda e eu não conhecia a vanguarda portuguesa e parece-me que é muito mais avançada que as outras vanguardas europeias", disse a escritora à Lusa.

As obras de Helena Almeida também inspiraram os artistas Géraldine Alexeline e Olivier Couto que, durante a visita, quiseram "habitar" as imagens da artista ao criar performances fotografadas em frente às obras.

"Ela provoca algo, é uma grande artista e nós gostamos de participar nas exposições de forma ativa. Nós apropriamo-nos da obra dela e, de certa forma, copiamo-la", descreveu à Lusa Géraldine Alexeline.

A exposição, patente até 22 de maio, está integrada na iniciativa "Printemps Culturel Portugais" ("Primavera Cultural Portuguesa") que vai reunir em Paris, ao longo dos próximos meses, a obra de artistas portugueses como Julião Sarmento, Amadeo de Souza-Cardoso, vários nomes da arquitetura dos últimos 50 anos, e a produção do Teatro Praga.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28