sicnot

Perfil

Cultura

História de ex-amante de Fidel encarregada de o matar dá um filme

A atriz Jennifer Lawrence vai ser Marita Lorenz, uma mulher com dupla nacionalidade: alemã e americana. Lorenz foi protagonista e testemunha de alguns dos principais acontecimentos do século XX. Foi amante do líder cubano e encarregada pela CIA para o matar.

HERMANN J. KNIPPERTZ

Em criança, viveu dois anos num campo de concentração nazi e foi violada por um polícia dos Estados Unidos. Na adolescência, apaixonou-se por Fidel Castro, com quem teve um filho chamado Marcos Pérez Jiménez, que presidiu a Venezuela de 1952 a 1958. Mais tarde. foi recrutada pela CIA para matar o seu amor, segundo conta a BBC Brasil.

Depois de viver um tempo com Castro, Lorenz deixou Cuba e juntou-se à luta contra o comunismo nos Estados Unidos. Foi nessa altura que foi recrutada pela CIA para a missão que acabaria por não cumprir. "Não podia matar ninguém, não havia motivo para o magoar. Podia tê-lo feito, porque me deram todas as ferramentas e treino", disse a mulher, em junho de 2015, à Rádio W da Colômbia. "É absurdo. Além do mais, eu amava-o, ele era uma pessoa fascinante, o meu primeiro amor".

Existem duas biografias sobre Marita Lorenz e, agora, a sua história vai ser exibida nos cinemas.

O filme dever-se-á chamar "Marita" e tem estreia prevista para o fim de 2017. De acordo com o site The Hollywood Reporter, o argumento deve abordar a forma como Lorenz e Castro se conheceram, quando ela tinha 19 anos, bem como o romance.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.