sicnot

Perfil

Cultura

Museu das Notícias vai ser inaugurado no centro histórico de Sintra

O NewsMuseum, espaço museológico dedicado às notícias e à comunicação, no centro histórico de Sintra, vai ser inaugurado no próximo dia 25 de abril, foi hoje anunciado pelo presidente da autarquia.

https://www.facebook.com/NewsMuseum/photos/pb.823870871016073.-2207520000.1458153865./903707049699121/?type=3&theater

https://www.facebook.com/NewsMuseum/photos/pb.823870871016073.-2207520000.1458153865./903707049699121/?type=3&theater

"Creio que é uma inovação muito grande, não só pelos meios técnicos utilizados, mas essencialmente pelos conteúdos", comentou Basílio Horta (PS), presidente da Câmara de Sintra, durante uma visita aquele novo equipamento cultural, considerando que o museu "será uma grande mais-valia" não só para a vila mas também para o país.

O futuro Museu das Notícias, dos Media e da Comunicação ocupa as antigas instalações do Museu do Brinquedo, num imóvel que o município cedeu por 20 anos a uma associação criada por Luís Paixão Martins, antigo jornalista e empresário do setor da comunicação.

"Acho que este museu tem aqui o melhor que a comunicação social tem, em todos os setores, desde a religião à política, passando pelo desporto", acrescentou Basílio Horta, durante uma pré-visita ao NewsMuseum.

O equipamento terá mais de 25 módulos temáticos distribuídos pelos três andares do edifício, que pretende recordar "episódios da história de Portugal e do mundo, através da sua cobertura jornalística" e com uma "abordagem interativa, que permite ao visitante não só ver como também 'participar' nas estórias", explica uma nota do novo museu.

"Acho que o iArena, um 'lounge' que é uma espécie de iPad, com 67 metros quadrados, tem alguma evolução tecnológica da nossa parte", destacou Luís Paixão Martins, acrescentando que a sala, com um ecrã 'touch'" com uma visão a 360 graus, vai proporcionar "uma grande dose de interatividade".

O diretor do NewsMuseum, Rodrigo Moita de Deus, também apontou a sala como "a experiência mais espetacular", devido à "densidade de conteúdos" apresentados naquele espaço.

A sala possui áreas temáticas dedicadas aos jornalistas que se tornaram notícia, uma estante multimédia sobre comunicação, a descrição do Bairro Alto (Lisboa), onde antes se concentraram os principais jornais nacionais, e o "altar dos 'media'" relacionado com Fátima.

Uma torre metálica com 70 monitores (A Pirâmide de Babel), no acesso aos três pisos, estará ligada aos principais canais televisivos de notícias do mundo, a par da projeção de centenas de títulos em tempo real na aplicação "último minuto" apresentando os assuntos da atualidade, com base nos 'media' nacionais e internacionais.

Além de áreas dedicadas, entre outras, à "propaganda", "géneros" jornalísticos, "bad news", "mind games" e "guerras", os visitantes poderão observar equipamentos cedidos pela agência noticiosa portuguesa Lusa e a sua congénere espanhola EFE.

Uma réplica do estúdio da Rádio Clube Português, onde foi lido o comunicado do Movimento das Forças Armadas em 25 de abril de 1974, uma galeria de homenagem perpétua aos jornalistas e um espaço de realidade virtual sobre os futuros suportes de comunicação são outras secções.

O museu possui ainda um pequeno auditório e um espaço para emissões televisivas "em direto", áreas vocacionadas para as escolas, que Rodrigo Moita de Deus resume ter o objetivo de "fazer a literacia dos 'media'" junto dos mais novos.

No final da visita, o NewsMuseum assinou um protocolo com o presidente da RTP, Gonçalo Reis, para a cedência de conteúdos da estação pública ao novo museu.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.