sicnot

Perfil

Cultura

World Press Photo é inaugurada no dia 28 em Lisboa

A exposição de fotojornalismo "World Press Photo", que inclui as imagens vencedoras do repórter português Mário Cruz, vai inaugurar-se no dia 28, no Museu da Electricidade, em Lisboa.

INACIO ROSA

Até 22 de maio será possível ver na exposição as fotografias vencedoras do 59.º concurso internacional World Press Photo, cujo grande prémio foi atribuído ao australiano Warren Richardson, por uma reportagem feita em agosto de 2015, com refugiados na fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

Entre os premiados está também Mário Cruz, que venceu o primeiro prémio na categoria "Contemporary Issues", com uma reportagem sobre tráfico e exploração de trabalho infantil no Senegal, com crianças senegalesas e guineenses.

A fotografia que deu o Grande Prémio a Warren Richardson mostra um homem a tentar passar uma criança por baixo de arame farpado. A reportagem valeu-lhe também o primeiro prémio na categoria "Spot News".

O júri elogiou a simplicidade e o poder da fotografia de Warren Richardson, sobretudo o simbolismo do arame farpado. "Achámos que tem tudo o que é preciso para mostrar o que está acontecer com os refugiados", afirmou na altura Francis Kohn, membro do júri,

O fotojornalista Mário Cruz foi premiado por uma reportagem sobre tráfico e exploração de trabalho infantil no Senegal, com crianças senegalesas e guineenses, publicada na revista Newsweek.

Mário Cruz, que trabalha na agência Lusa desde 2008, passou seis meses a fazer investigação, tirou uma licença sem vencimento e rumou em 2015 ao Senegal e à Guiné-Bissau, onde passou um mês e meio a registar as condições em que vivem algumas das crianças, apanhadas numa rede criminosa de exploração infantil.

A reportagem já foi posteriormente premiada, com um terceiro lugar, no concurso internacional POYi - Pictures Of The Year.

À 59.ª edição do concurso World Press Photo concorreram 5.775 fotógrafos de 128 países.

Lusa

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Admirável mundo novo
    16:17