sicnot

Perfil

Cultura

Música vendeu mais em digital do que em suporte físico pela primeira vez

As receitas de vendas de música em digital superaram as vendas em suporte físico no mercado global, pela primeira vez, em 2015, segundo o relatório anual revelado hoje pela Federação Internacional de Indústria Discográfica (IFPI).

Todos os discos editados pela banda podem ser apreciados na abertura do Museu (Reuters)

Todos os discos editados pela banda podem ser apreciados na abertura do Museu (Reuters)

© Scanpix Sweden / Reuters

De acordo com a federação, "o mercado discográfico global atingiu um marco importante em 2015", com o digital a tornar-se a principal fonte de receita (equivalente a 45 por cento do mercado), superando, pela primeira vez, as vendas da música nos formatos físicos (que representa uma quota de 39 por cento do mercado).

No total, a venda de música registou globalmente, em 2015, cerca de 13 mil milhões de euros de receita, representando um aumento de 3,2 por cento face a 2014. É o maior aumento em duas décadas, embora esta recuperação assente numa fraqueza, numa "distorção do mercado", afirma a federação internacional.

"A música está a ser consumida em níveis recordes, mas este aumento do consumo não significa uma remuneração justa e equivalente para os artistas e as editoras discográficas", sublinha a organização no relatório.

No entender da federação, o aumento das receitas no suporte digital advém do aparecimento de vários serviços de transmissão de música pela Internet por subscrição, ou seja, em streaming, pelas vendas 'online' e pela massificação do uso de telemóveis com aplicações e acesso à Internet.

Em janeiro deste ano, a Associação AUDIOGEST tinha revelado dados provisórios sobre o mercado discográfico nacional, que davam conta de um aumento de consumo de música em streaming, através de serviços como o Spotify e o Google Play Music.

"São previsões que temos, tendo em conta os levantamentos mensais, de um valor aproximado de 5,9 milhões de euros referentes a streaming, em 2015. Em 2014, o mercado registou 3,7 milhões de euros", afirmou na altura o diretor-geral da Associação para a Gestão e Distribuição de Direitos (AUDIOGEST), Miguel Carretas.

O responsável disse que a escuta de música em streaming "alavancou o mercado digital" em Portugal e representou mais de trinta por cento do mercado total de música.

Em 2014, o mercado discográfico português registou vendas de 17,6 milhões de euros.

Com Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41