sicnot

Perfil

Cultura

Museu Berardo entre os 100 museus mais visitados do mundo

O Museu Colecção Berardo, em Lisboa, ocupa o 74.º lugar na lista dos cem museus mais visitados do mundo, em 2015, com 823.092 entradas, segundo o The Art Newspaper, publicação internacional especializada em arte contemporânea.

No ano passado, de acordo com o relatório anual publicado por The Art Newspaper, o Museu Berardo conquistou o 74.º lugar, à frente do espaço expositivo Palais de Tokyo, em Paris, que ficou, por seu turno, em 75.º lugar, com 820.850 visitantes.

Já o top 10 dos mais visitados do mundo, em 2015, é liderado pelo Museu do Louvre, em Paris, com 8,6 milhões de entradas, seguido do British Museum, em Londres, com 6,82 milhões, e, em terceiro, o Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, com 6,53 milhões.

Na lista dos dez mais surgem ainda, em quarto lugar, os Museus do Vaticano, com seis milhões de visitantes, e, em quinto lugar, a National Gallery, em Londres, com 5,9 milhões.

O Museu Coleção Berardo, que já figurou nesta lista em anos anteriores, continua a ser o único museu português a integrar o top 100 de museus mais visitados do mundo do The Art Newspaper.

Desde a inauguração, em 2007, até hoje, o Museu Berardo, instalado no Centro Cultural de Belém, recebeu um total de 5,8 milhões de visitantes e mantém uma política de entradas gratuitas.

Criado na sequência de um acordo entre o Estado e o comendador e colecionador madeirense José Berardo, o museu de arte moderna e contemporânea teve como primeiro diretor artístico o francês Jean-François Chougnet e passou a ser dirigido, em abril de 2011, pelo curador e historiador de arte português Pedro Lapa.

O museu abriu com um acervo inicial de 862 obras da coleção de arte de José Berardo, cedidas em regime de comodato (empréstimo) ao Estado, até 2016, avaliadas em 316 milhões de euros pela Christie's, em 2006, acordo esse que deverá ser renegociado este ano.

Lusa

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),