sicnot

Perfil

Cultura

400 anos da morte de Shakespeare

400 anos da morte de Shakespeare

A cidade natal de William Shakespeare está a celebrar a vida do dramaturgo, no dia em que se assinalam os 400 anos da morte do autor de Romeu e Julieta. O dramaturgo nasceu e morreu em Stratford-upon-Avon, uma pequena cidade a 170 quilómetros de Londres. Músicos e atores prestam homenagem ao dramaturgo em espetáculos nas ruas da cidade. "Shakespeare Live" em Stratford-upon-Avon será transmitido em direto em cinemas de vários países, incluindo Portugal.

  • Cidade natal de Shakespeare assinala os 400 anos da morte do escritor
    2:15

    Cultura

    Assinalam-se este sábado os 400 anos da morte de William Shakespeare. A SIC acompanha a efeméride em Stratford-upon-Avon, a pequena cidade a 170 quilómetros de Londres, onde o dramaturgo inglês nasceu e morreu. Stratford-upon-Avon recebe o espetáculo Shakespeare Live e terá na assistência o princípe Carlos.

  • Shakespeare no grande ecrã
    2:41

    Cultura

    Esta semana assinalam-se os 400 anos do nascimento de William Shakespeare. Quase todas as peças do dramaturgo inglês foram adaptadas ao cinema. "Romeu + Julieta" com Leonardo DiCaprio e Claire Danes levou a obra do dramaturgo a uma nova geração. Sir Laurence Olivier foi um dos autores que mais papéis de Shakespeare desempenhou no grande ecrã. Esta semana chega aos cinemas nacionais uma nova adaptação de "MacBeth".

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.