sicnot

Perfil

Cultura

Quadros roubados em Verona encontrados na Ucrânia

As autoridades ucranianas encontraram 17 quadros roubados de uma museu em Verona, Itália, em que se incluem obras de Tintoretto, Rubens e Mantegna.

Jacopo Tintoretto, Madonna allattante, olio su tela, cm 89×76, inv. 1285-1B1623

Jacopo Tintoretto, Madonna allattante, olio su tela, cm 89×76, inv. 1285-1B1623

museodicastelvecchio.comune.verona.it

As 17 obras, avaliadas em 16 milhões de euros, foram encontradas escondidas em sacos de plástico numa pequena ilha no rio Dniester, entre a Ucrânia e a Moldávia.

Foram roubadas do museu Castelvecchio em novembro passado. Três homens encapuzados e armados entraram no museu, que se situa num castelo medieval, no momento em que estava a encerrar e o sistema de alarme ainda não tinha sido ativado. Amarraram o guarda e o responsável da bilheteira, pegaram nos quadros e fugiram no carro do guarda.

Em março, as autoridades italianas anunciaram a detenção de 13 suspeitos em Itália e na Moldávia. Entre eles estava o guarda do museu e o seu irmão gémeo, bem como a mulher deste, uma moldava.

As autoridades ucranianas dizem que os quadros foram enviados por correio da Moldávia para Odessa.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.