sicnot

Perfil

Cultura

Paul McCartney revela que quase desistiu da música depois sair dos Beatles

O ex-Beatles Paul McCartney revelou que começou a beber muito e quase desistiu da música depois da banda se ter separado, numa entrevista que vai ser publicada esta semana.

© Benoit Tessier / Reuters

O ícone da música, agora com 73 anos, admitiu que se refugiou no álcool para lidar com o fim da banda em abril de 1970, segundo um excerto de uma entrevista à rádio BBC publicada terça-feira.

"Eu estava a separar-me dos meus amigos de longa data, sem saber se ia continuar no mundo da música", disse McCartney.

"Refugiei-me na bebida. Foi ótimo no início mas depois, de repente, não estava assim tão bem. Não estava a funcionar. Eu queria voltar ao começo da banda, por isso acabei por formar os Wings".

Os Wings - que também incluíam Linda, a mulher de McCartney -- foi formada em 1971 e começou por dar pequenos concertos não anunciadas a estudantes.

A banda teve sucesso, mas McCartney sabia que algumas críticas feitas nos primeiros tempos eram válidas, quando a sua primeira mulher, uma música novata, ainda estava a aprender a tocar teclado.

"Para ser honesto, nós não éramos assim tão bons. Nós éramos horríveis. Nós sabíamos que a Linda não tocava bem mas ela aprendeu e, olhando para trás, fico muito contente por termos conseguido", disse.

"Eu podia ter formado um grupo grande e ter chegado ao nível do Eric Clapton e do Jimmy Page e John Bonham, mas nós tornamo-nos especialistas a tocar em universidades e pequenas cidades, o que foi bastante engraçado uma vez que eu tinha estado no Shea Stadium recentemente".

McCartney disse que estava satisfeito por ter resolvido a relação tensa que tinha com o colega dos Beatles, John Lennon, antes de este ter sido assassinado em 1980.

"Fiquei muito grato por nos termos voltado a dar antes de ele ter morrido. Porque teria sido muito difícil de lidar com isso se... bem, foi difícil de qualquer maneira", disse.

Em 1982, McCartney escreveu a música "Here Today" sobre Lennon.

Depois de tocar uma parte da canção, disse: "Eu estava a pensar em todas as coisas que lhe deveria ter dito. Sou muito reservado e não gosto de me abrir muito. Por que é que as pessoas têm de saber os meus pensamentos mais íntimos? Mas uma canção é o sítio onde os posso expressar. Em "Here Today" eu digo ao John, "Gosto de ti".

"Pode-se pôr estas emoções, estas verdades por vezes profundas e estranhas, numa canção".

McCartney referiu que a rivalidade entre os Beatles e a ascensão a uma fama mundial ajudou-o a escrever algumas das suas melhores músicas.

"Quando se é jovem, há coisas mágicas que acontecem: fazer parte de uma banda, a competição com John, ser-se jovem, de repente tornar-se famoso... tudo o que vinha com bom trabalho", disse.

"Se o John aparecesse com uma canção brilhante, eu diria: 'Está bem, vamos tentar e ser ainda mais brilhantes'".

O programa estreia no sábado.

Lusa

  • O dia em que o Brexit começa
    1:25

    Brexit

    A primeira-ministra britânica já assinou a carta que vai enviar ao Conselho Europeu para formalizar a vontade do Reino Unido de sair da União Europeia. O artigo 50.º do Tratado de Lisboa será ativado nas próximas horas. Na véspera, Theresa May recebeu da Escócia um novo contratempo político.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Governo vai dar mais meios à investigação criminal
    2:34

    País

    A ministra da Justiça garante que o Governo vai dar mais meios à investigação criminal, mas assegura que não vai mexer nos prazos dos inquéritos. A questão tem sido insistentemente levantada pela defesa de José Sócrates, que se queixa de que a Operação Marquês já ultrapassou todos os prazos.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.