sicnot

Perfil

Cultura

Kraftwerk perdem processo sobre direitos de autor no Constitucional alemão

O Tribunal Constitucional alemão sentenciou hoje que a "liberdade artística" pode prevalecer sobre os interesses económicos em certos casos, recusando um pedido do grupo de música eletrónica Kraftwerk numa questão de direitos de autor.

© Denis Balibouse / Reuters

Os Kraftwerk batiam-se nos tribunais desde 1997 pelos seus direitos e contra uma artista de 'hip-hop' que utilizou um 'sample' (excerto) de dois segundos de uma música do grupo.

O tribunal decidiu que nos casos em que a infração é "de pouca importância, então a liberdade artística tem precedência sobre os interesses do proprietário do direito de autor".

A decisão pode ter consequências muito importantes, nomeadamente para a música 'hip-hop', que recorre largamente ao 'sampling', misturando excertos de músicas.

Em 2012, o tribunal federal de justiça tinha dado razão aos Kraftwerk.

O ritmo de percussão de dois segundos em causa pertence à música "Metall auf Metall" (1997) e foi utilizado pela 'rapper' alemã Sabrina Setlur na canção "Nur mir".

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.