sicnot

Perfil

Cultura

"Vieira da Silva em Festa" celebra aniversário da pintora dia 13 em Lisboa

Um programa com exposições, visitas guiadas, atividades para crianças e concertos, assinala, a 13 de junho, em Lisboa, o aniversário do nascimento da pintora Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), anunciou hoje a organização.

De acordo com a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva (FASVS), para festejar o aniversário da artista, naquele dia, que coincide com o Dia de Santo António, vão ser realizadas várias atividades gratuitas entre as 10:00 e as 20:00, no Museu, no Jardim das Amoreiras e na Casa Atelier Vieira da Silva.

Orquestra de foles, Camané, João Afonso, as Cramol e o programa Viva a Música!, de Armando Carvalhêda, fazem parte do programa das celebrações, assim como Sérgio Godinho e Capicua, em diálogo no museu, e o documentário de Francisco Manso "Mulheres da Serra de Montemuro".

Também serão realizadas atividades com jogos populares, como o jogo do pau, artesanato, costura, uma feira do livro de arte, oficinas da tipografia pel'O Homem do Saco, e um bolo de aniversário para festejar a data.

Estão previstas visitas guiadas à exposição coletiva, intitulada "Backstories", com trabalhos dos artistas Mitsuo Miura, Pedro Calapez e Rui Sanches, em diálogo com a obra de Maria Helena Vieira da Silva, no museu da artista.

Esta mostra, com curadoria de Ana Ruivo, resulta de um projeto surgido do diálogo entre os artistas, em torno do tema do livro e da biblioteca, relacionado com alguns temas de pesquisa de Vieira da Silva, como o espaço, o tempo e a memória.

É o quarto ano consecutivo que a Fundação Vieira da Silva celebra o aniversário da pintora, nascida no dia 13 de junho, há 108 anos, com um programa alargado de iniciativas gratuitas.

De acordo com a Fundação, o objetivo deste programa é promover o conhecimento da artista e da sua obra, atraindo novos públicos, e revitalizar o Jardim das Amoreiras, como espaço de lazer e como polo cultural e artístico, em parceria com outras instituições.

Criada ainda em vida de Maria Helena Vieira da Silva, uma das mais importantes pintoras portuguesas, e instituída por decreto-lei em 10 de maio de 1990, a Fundação Arpad Szenes -- Vieira da Silva tem como missão garantir a existência de um espaço, em Portugal, onde o público possa contactar permanentemente com a obra dos dois pintores.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.