sicnot

Perfil

Cultura

Quadro de Domingos Sequeira já está "no lugar certo"

​O quadro "A Adoração dos Magos", do pintor português Domingos António Sequeira, foi restaurado durante dois meses pelos técnicos do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), e "parece outro", depois de reveladas a luz e cores originais.

(SIC/Arquivo)

"É quase outra pintura. Duzentos anos de sujidade tinham alterado o cromatismo da obra", avaliou o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, quando "A Adoração dos Magos" foi hoje destapada e colocada numa das paredes do terceiro piso.

Colocada numa ala com mais sete pinturas de Sequeira, a obra é uma das estrelas da nova exposição permanente de pintura e escultura antiga que inaugura na quinta-feira, às 18:00.

"Foi um trabalho extremamente delicado de investigação e de restauro", comentou ainda o diretor do museu, acrescentando que praticamente todas as 250 obras de pintura e de escultura da nova exposição passaram por um processo semelhante, e algumas delas vão ser vistas pelo público pela primeira vez.

A campanha pública inédita de angariação de fundos, para comprar a tela "A Adoração dos Magos", atingiu um total de 745.623,40 euros, ultrapassando largamente os 600 mil euros necessários para a aquisição.

António Filipe Pimentel disse ainda que, de início, a pintura aparentava estar apenas carente de uma limpeza, mas quando foi observada com profundidade e precisão, "verificou-se que havia muito trabalho a fazer".

"O trabalho do museu não é apenas de expor as obras, mas também estudar e restaurar", disse, acrescentando que a pesquisa revelou também muito do processo usado por Domingos Sequeira como artista.

Para o responsável, esta pintura "é muito importante não apenas pelo seu valor estético e plástico, mas também pelo valor simbólico da compra pelo público".

Por seu turno, Teresa Serra e Moura, uma das técnicas do museu responsáveis pelo restauro, disse aos jornalistas que o facto de quadro ter estado durante duzentos anos nas mãos de privados "contribuiu muito para o seu bom estado geral de conservação".

"Depois de retirado o verniz amarelecido pelo tempo e sujidade, a luz e a cor revelaram-se como se tivesse sido acabado de pintar", indicando que a pintura corresponde ao desenho preparatório que o museu já possuía.

Esta foi a primeira campanha em Portugal de angariação de fundos para a aquisição de uma obra de arte para um museu público, e contou com a contribuição de milhares de cidadãos a título individual, instituições, empresas, fundações, escolas, juntas de freguesia e câmaras municipais.

Lançada em outubro do ano passado, a campanha "Vamos pôr o Sequeira no Lugar Certo" tinha como objetivo ajudar o museu a adquirir a obra de Domingos Sequeira, pintada em 1828, da qual o MNAA possui o desenho final e vários preparatórios.

O MNAA tem no seu acervo cerca de 30 obras em pintura e desenho de Domingos Sequeira (1768-1837), cujo trabalho realizado, nas primeiras décadas do século XIX, se situa entre o Classicismo e o Romantismo, de um modo similar a Francisco de Goya, seu contemporâneo na cultura espanhola, segundo o museu.

Devido ao seu talento, Domingos Sequeira conseguiu proteção aristocrática e uma bolsa para se aperfeiçoar em Roma, onde privou com vários mestres e conquistou diversos prémios académicos.

Com Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC