sicnot

Perfil

Cultura

Galerista que lançou petição preferia que coleção Miró circulasse no país

O galerista Carlos Cabral Nunes, que lançou em 2014 uma petição para a manutenção da coleção Joan Miró em Portugal, concorda que a coleção Miró fique no Porto, mas preferia que circulasse por todo o país.

Contactado pela agência Lusa na sequência do anúncio do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, Carlos Cabral Nunes mostrou-se satisfeito por o Governo ter decidido que a coleção Miró fique em Portugal e seja exibida ao público.

"É meritório que Serralves mostre as obras, mas vai deixar algumas de fora, o que não é bom, porque seria importante que os portugueses conhecessem a sua totalidade", defendeu o galerista, acrescentando que também é bom ser acolhida por um espaço no Porto, mas defende a itinerância como "essencial".

A circulação, sustenta, "deveria ser acompanhada por um debate público para que se perceba qual é o sentimento da sociedade sobre a coleção Miró, se as pessoas acham que deve ficar toda em Portugal ou não".

Para Carlos Cabral Nunes, o facto de o Museu de Serralves estar a preparar a exposição da maioria das obras - mas não todas - e o facto do ministro da Cultura ter afirmado que o Governo pondera ainda se ficará com parte delas ou a totalidade, "é uma opção negativa".

"O conjunto das obras, cuja importância já está reconhecida, deveria ficar em Portugal, circular pelo país e também pelos territórios de língua portuguesa, sobretudo o Brasil, onde as exposições da obra gráfica de Miró têm feito um enorme sucesso", sustentou.

O galerista receia que um próximo Governo tenha uma opinião diferente e que decida alienar a coleção, daí que, na sua opinião, "o consenso nacional sobre as 85 obras de Miró seja importante".

Depois de ter sido lançada, em janeiro de 2014, a petição pública em defesa da manutenção em Portugal das obras de Joan Miró (1893-1983) na posse do Estado português -- através das empresas Parups e Parvalorem - desde a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), em 2008, atingiu as 10.500 assinaturas, e chegou a ser debatida no parlamento.

O leilão das obras em Londres, pela Chritie´s, foi adiado por duas vezes "por razões comerciais e judiciais" devido aos processos interpostos pelo Ministério Público em Portugal para impedir a saída das obras do país.

As ações judiciais foram justificadas com a "defesa do património cultural e dos bens do Estado".

Os peticionários defendiam a manutenção da coleção no país e um debate público sobre o seu valor e o destino a dar às obras, e Carlos Cabral Nunes chegou a obter a autorização do colecionador e empresário José Berardo para exibir as obras no museu, no Centro Cultural de Belém, mas a Parvalorem nunca autorizou a exibição.

Lusa

  • Governo quer coleção Miró no Porto

    País

    ​O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje que "é desejo do Governo que os Mirós fiquem no Porto", justificando que "já existem em Lisboa muitos museus" de arte moderna e contemporânea.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.