sicnot

Perfil

Cultura

Galerista que lançou petição preferia que coleção Miró circulasse no país

O galerista Carlos Cabral Nunes, que lançou em 2014 uma petição para a manutenção da coleção Joan Miró em Portugal, concorda que a coleção Miró fique no Porto, mas preferia que circulasse por todo o país.

Contactado pela agência Lusa na sequência do anúncio do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, Carlos Cabral Nunes mostrou-se satisfeito por o Governo ter decidido que a coleção Miró fique em Portugal e seja exibida ao público.

"É meritório que Serralves mostre as obras, mas vai deixar algumas de fora, o que não é bom, porque seria importante que os portugueses conhecessem a sua totalidade", defendeu o galerista, acrescentando que também é bom ser acolhida por um espaço no Porto, mas defende a itinerância como "essencial".

A circulação, sustenta, "deveria ser acompanhada por um debate público para que se perceba qual é o sentimento da sociedade sobre a coleção Miró, se as pessoas acham que deve ficar toda em Portugal ou não".

Para Carlos Cabral Nunes, o facto de o Museu de Serralves estar a preparar a exposição da maioria das obras - mas não todas - e o facto do ministro da Cultura ter afirmado que o Governo pondera ainda se ficará com parte delas ou a totalidade, "é uma opção negativa".

"O conjunto das obras, cuja importância já está reconhecida, deveria ficar em Portugal, circular pelo país e também pelos territórios de língua portuguesa, sobretudo o Brasil, onde as exposições da obra gráfica de Miró têm feito um enorme sucesso", sustentou.

O galerista receia que um próximo Governo tenha uma opinião diferente e que decida alienar a coleção, daí que, na sua opinião, "o consenso nacional sobre as 85 obras de Miró seja importante".

Depois de ter sido lançada, em janeiro de 2014, a petição pública em defesa da manutenção em Portugal das obras de Joan Miró (1893-1983) na posse do Estado português -- através das empresas Parups e Parvalorem - desde a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), em 2008, atingiu as 10.500 assinaturas, e chegou a ser debatida no parlamento.

O leilão das obras em Londres, pela Chritie´s, foi adiado por duas vezes "por razões comerciais e judiciais" devido aos processos interpostos pelo Ministério Público em Portugal para impedir a saída das obras do país.

As ações judiciais foram justificadas com a "defesa do património cultural e dos bens do Estado".

Os peticionários defendiam a manutenção da coleção no país e um debate público sobre o seu valor e o destino a dar às obras, e Carlos Cabral Nunes chegou a obter a autorização do colecionador e empresário José Berardo para exibir as obras no museu, no Centro Cultural de Belém, mas a Parvalorem nunca autorizou a exibição.

Lusa

  • Governo quer coleção Miró no Porto

    País

    ​O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, revelou hoje que "é desejo do Governo que os Mirós fiquem no Porto", justificando que "já existem em Lisboa muitos museus" de arte moderna e contemporânea.

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.