sicnot

Perfil

Cultura

Pai de Heath Ledger revela as últimas palavras do filho antes de morrer

© ERIC THAYER / Reuters

O ator Heath Ledger morreu em 2008 de overdose de medicamentos, tinha então 28 anos. Oito anos depois, o empresário e pai do ator, Kim Ledger, revelou ao Daily Mail Australia as últimas palavras do filho antes de morrer.

Segundo Kim, a última pessoa com quem o filho falou foi com a irmã, Katie. Esta terá aconselhado o irmão a parar de misturar medicamentos e tomar sem conhecer as consequências. Heath respondeu: "Katie, Katie, eu vou ficar bem", acrescentando que só o estava a fazer para conseguir dormir.

Kim Ledger admite que o único responsável pela morte é o próprio filho. "Foi totalmente culpa dele e de mais ninguém. Ele agarrou nos medicamentos e tomou-os."

A 22 de janeiro de 2008, Heath Ledger foi encontrado incosciente na cama, no quarto do apartamento em Nova Iorque. Segundo a autópsia, no corpo do ator foram encontrados vestígios de algumas substâncias entre elas: oxicodona, hidrocodona, diazepam, temazepam, alprazolam e doxilamina.

O ator ficou mais conhecido por participar em filmes como o "Batman - O Cavaleiro das Trevas", "10 coisas que eu odeio em ti", "Coração de Cavaleiro" e "O Segredo de Brokeback Mountain".

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.