sicnot

Perfil

Cultura

Documentário e reedição de disco dos Beatles em setembro

O documentário de Ron Howard sobre os primeiros anos dos Beatles, em particular as digressões, estreia-se em setembro, e, a acompanhar, será reeditado o álbum com os concertos que o grupo britânico deu em Los Angeles, nos EUA.

O filme "The Beatles: Eight days a week - the touring days", ainda sem data de estreia em Portugal, apresenta imagens de arquivos, algumas raras, e testemunhos sobre a carreira do quarteto de Liverpool, entre 1962 e 1966, o período durante o qual andaram em digressão e surgiu o fenómeno que foi descrito como "Beatlemania".

A longa-metragem "explora a forma como John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr se tornaram num extraordinário fenómeno chamado The Beatles". "Revela como tomavam decisões, compunham e construiram juntos uma carreira", lê-se na nota de imprensa no site do grupo.

Os Beatles terminaram em 1970, deixaram mais de uma dezena de álbuns, só dois dos músicos ainda estão vivos - Paul McCartney e Ringo Starr -, mas a música faz deles, no século XXI, um dos fenómenos sobreviventes da cultura popular do século XX.

O documentário, feito com a concordância dos músicos e seus representantes legais, centra-se no período que vai dos tempos iniciais, em que tocavam no The Cavern Club, em Liverpool, até ao concerto em Candlestick Park, em São Francisco, em 1966, nos Estados Unidos.

Foi nesse período que se deu a célebre recepção histérica, no programa televisivo norte-americano de Ed Sullivan, em fevereiro de 1964, e que John Lennon disse que os Beatles eram mais popular que Jesus Cristo.

No final da digressão, em 1966, os Beatles tinham dado 166 concertos em 15 países.

Três desses concertos foram realizados em 1964 e 1965, no Hollywood Bowl, um anfiteatro em Los Angeles, e editados em álbum, em 1977.

Esse disco, "The Beatles: Live at The Hollywood Bowl", é agora reeditado em setembro pela Universal Music, e 'remasterizado' por Giles Martin, filho do histórico produtor do grupo, George Martin.

Na edição de 1977, George Martin escrevia: "O caos, e quase que posso dizer o pânico, que reinava nesses concertos foi inacreditável a não ser que se estivesse lá para ver. Apenas foi possível gravar três pistas; os Beatles não conseguiam sequer ouvir o que estavam a cantar e os gritos de 17 mil jovens faziam com que até um avião fosse inaudível".

O álbum remasterizado, a editar a 09 de setembro, inclui quatro gravações desses concertos, nunca editadas, entre as quais os temas "I want to hold your hand" e "Everybody's trying to be my baby".

O filme "The Beatles: Eight days a week - the touring days" estreia-se a 15 de setembro, no Reino Unido, França e Alemanha, e, no dia seguinte, nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.