sicnot

Perfil

Cultura

Descoberto cadáver do século XI a.C. na Grécia

Um cadáver com 3.000 anos foi descoberto no monte Lykaion, na península Peloponeso, na Grécia, e a sua morte poderá ser resultado de um ritual de sacrifício humano, revelou uma arqueóloga grega.

Segundo Anna Karapanagiotou, os restos mortais, provavelmente de um homem jovem, foram descobertos há algumas semanas no cimo do monte Lykaion, antigo local de culto de Zeus, por uma equipa greco-americana.

A arqueóloga, chefe dos serviços arqueológicos locais, qualificou esta descoberta como única, acrescentando que este achado "vai trazer uma nova luz em relação aos rituais praticados nesta época", declarou à rádio de Atenas.

"Várias fontes posteriores -- 700 anos mais tarde -- evocaram sacrifícios humanos nesta montanha. Tudo será estudado", continuou a arqueóloga.

O corpo, que apenas tem o maxilar inferior, foi enterrado no centro do altar numa cavidade na rocha.

A data desta descoberta -- século XI a.C. -- pode ser determinante para confirmar a hipótese de um sacrifício humano, uma vez que este período corresponde à queda da civilização micénica, a idade do bronze, substituída pelos invasores dóricos que utilizavam armas de ferro.

O culto de Zeus era praticado no cimo da montanha que funcionou durante séculos, desde o ano de 1.600 a.C., lembrou a chefe das escavações.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.