sicnot

Perfil

Cultura

Descoberto cadáver do século XI a.C. na Grécia

Um cadáver com 3.000 anos foi descoberto no monte Lykaion, na península Peloponeso, na Grécia, e a sua morte poderá ser resultado de um ritual de sacrifício humano, revelou uma arqueóloga grega.

Segundo Anna Karapanagiotou, os restos mortais, provavelmente de um homem jovem, foram descobertos há algumas semanas no cimo do monte Lykaion, antigo local de culto de Zeus, por uma equipa greco-americana.

A arqueóloga, chefe dos serviços arqueológicos locais, qualificou esta descoberta como única, acrescentando que este achado "vai trazer uma nova luz em relação aos rituais praticados nesta época", declarou à rádio de Atenas.

"Várias fontes posteriores -- 700 anos mais tarde -- evocaram sacrifícios humanos nesta montanha. Tudo será estudado", continuou a arqueóloga.

O corpo, que apenas tem o maxilar inferior, foi enterrado no centro do altar numa cavidade na rocha.

A data desta descoberta -- século XI a.C. -- pode ser determinante para confirmar a hipótese de um sacrifício humano, uma vez que este período corresponde à queda da civilização micénica, a idade do bronze, substituída pelos invasores dóricos que utilizavam armas de ferro.

O culto de Zeus era praticado no cimo da montanha que funcionou durante séculos, desde o ano de 1.600 a.C., lembrou a chefe das escavações.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.