sicnot

Perfil

Cultura

Exposição com fotografias de Lisboa do século XIX revela a vivência da cidade

Uma exposição com fotografias captadas em Lisboa no final do século XIX revela o mapeamento urbano e algumas surpresas sobre a vida quotidiana da capital, com os vendedores, crianças e ofícios da época.

"Lisboa uma grande surpresa", é o título desta exposição que inaugura a 22 de setembro, às 18:30, no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, com imagens captadas por Arthur Júlio Machado (1867-1947), e José Cândido d'Assumpção e Souza (1856-1923).

O trabalho destes dois autores - anónimos durante cerca de um século apesar das diversas pesquisas realizadas - é agora apresentado como documento da memória da cidade, através de vistas, ruas, praças e monumentos.

Ambos eram desenhadores na Câmara Municipal de Lisboa, onde apresentaram uma proposta para fotografar os prédios da cidade, cujo requerimento, entregue a 20 de julho de 1898, foi descoberto no decurso de um trabalho de investigação que permitiu aferir a autoria dos negativos e compreender o contexto de produção.

A intenção dos autores era fazer uma abordagem sistematizada sobre a cidade e foi desenvolvida ao longo de dez anos, entre 1898 e 1908.

Às provas da época já existentes no Arquivo Fotográfico, veio juntar-se outro volumoso conjunto, proveniente do Museu de Lisboa, provas coladas em fichas mecanográficas, que associam as imagens à informação do local, ao nome do proprietário e ao valor matricial do prédio.

Os investigadores concluíram que neste trabalho de uma década "havia uma intenção clara de inventariar, mapear, cartografar e fotografar no levantamento prédio a prédio, assim como noutros registos a decorrer na cidade da época, discutidos e apoiados pela câmara, acompanhando as tendências europeias de modernização da cidade".

A exposição "Lisboa uma grande surpresa" é acompanhada por um catálogo onde se apresenta parte deste fundo documental e que será lançado durante o período da exposição, aberto ao público de 23 de setembro próximo a 23 de janeiro 2017.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.