sicnot

Perfil

Cultura

Exposição com fotografias de Lisboa do século XIX revela a vivência da cidade

Uma exposição com fotografias captadas em Lisboa no final do século XIX revela o mapeamento urbano e algumas surpresas sobre a vida quotidiana da capital, com os vendedores, crianças e ofícios da época.

"Lisboa uma grande surpresa", é o título desta exposição que inaugura a 22 de setembro, às 18:30, no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, com imagens captadas por Arthur Júlio Machado (1867-1947), e José Cândido d'Assumpção e Souza (1856-1923).

O trabalho destes dois autores - anónimos durante cerca de um século apesar das diversas pesquisas realizadas - é agora apresentado como documento da memória da cidade, através de vistas, ruas, praças e monumentos.

Ambos eram desenhadores na Câmara Municipal de Lisboa, onde apresentaram uma proposta para fotografar os prédios da cidade, cujo requerimento, entregue a 20 de julho de 1898, foi descoberto no decurso de um trabalho de investigação que permitiu aferir a autoria dos negativos e compreender o contexto de produção.

A intenção dos autores era fazer uma abordagem sistematizada sobre a cidade e foi desenvolvida ao longo de dez anos, entre 1898 e 1908.

Às provas da época já existentes no Arquivo Fotográfico, veio juntar-se outro volumoso conjunto, proveniente do Museu de Lisboa, provas coladas em fichas mecanográficas, que associam as imagens à informação do local, ao nome do proprietário e ao valor matricial do prédio.

Os investigadores concluíram que neste trabalho de uma década "havia uma intenção clara de inventariar, mapear, cartografar e fotografar no levantamento prédio a prédio, assim como noutros registos a decorrer na cidade da época, discutidos e apoiados pela câmara, acompanhando as tendências europeias de modernização da cidade".

A exposição "Lisboa uma grande surpresa" é acompanhada por um catálogo onde se apresenta parte deste fundo documental e que será lançado durante o período da exposição, aberto ao público de 23 de setembro próximo a 23 de janeiro 2017.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.