sicnot

Perfil

Cultura

Mega Ferreira, Pedro Mexia e Ruben de Carvalho no conselho diretivo do CCB

António Mega Ferreira, Pedro Mexia e Ruben de Carvalho são três das seis pessoas nomeadas pelo Governo para o conselho diretivo do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, segundo despacho publicado em Diário da República.

Com Elísio Summavielle na presidência do conselho de administração do CCB, o Governo nomeou um novo conselho diretivo, para um mandato de três anos não remunerado.

O Ministério da Cultura nomeou António Mega Ferreira, que já foi presidente do conselho de administração do CCB, o escritor e crítico literário Pedro Mexia, Ruben de Carvalho, jornalista e membro do Comité Central do PCP, Maria Celeste Hagatong, administradora do BPI, e o professor catedrático Emanuel Maranha das Neves.

A eles junta-se Jorge Manuel Henriques dos Santos, da EDP Renováveis, nomeado pelo ministério das Finanças.

Elísio Summavielle lidera o conselho de administração do CCB fevereiro passado, substituído António Lamas. O conselho de administração integra ainda os vogais Miguel Leal Coelho e Isabel Cordeiro.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.