sicnot

Perfil

Cultura

Lisboa entre as cidades que integrarão a Associação de Cidades do Iluminismo

(Arquivo)

Armando Franca

Cidades como Lisboa, Paris ou São Petersburgo vão brevemente integrar a Associação Internacional das Cidades e Entidades do Iluminismo (AiCEi), anunciou esta quinta-feira o presidente da Câmara da Covilhã, cidade que no último ano assumiu a presidência do organismo.

"Durante o congresso na Covilhã tomarão posse três novas adesões, em concreto das cidades de Lisboa, de Baztán e de La Carlota (Espanha), estando ainda previsto que se juntem brevemente à Rede de Cidades do Iluminismo Paris (França), Edimburgo (Reino Unido), São Petersburgo (Rússia) e São Luís do Maranhão (Brasil)", disse o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira.

O autarca falava no final da sessão de abertura do XI Congresso Internacional da AiCEi, que decorre até sábado, na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

Vítor Pereira sublinhou que as novas adesões são "o reflexo claro da importância do movimento do Iluminismo" e contribuirão para incrementar "as relações de natureza, social, política e económica" com as restantes cidades que já integram esta rede.

"Nós vivemos num mundo globalizado e, portanto, tudo quanto for no sentido de potenciar projetos, ideias pode no futuro ser muito proveitoso. Aliás, estou certo de que assim será", referiu.

Segundo o responsável, entre os projetos em desenvolvimento está o da Rota do Iluminismo, em que cada uma das cidades apresenta os diferentes legados do Iluminismo que ainda hoje são visíveis, designadamente no património histórico.

"Estamos a falar de uma marca que se vê quer no domínio filosófico e das ideias, quer do ponto de vista económico e patrimonial, e que aqui na Covilhã está bem patente na então Real Fábrica dos Panos, que mais do que uma manufatura era também uma fábrica escola", referiu, lembrando a importância desta fábrica em relação aos mercados externos e ao desenvolvimento dos lanifícios.

Com uma comissão de honra que integra 36 individualidades, entre as quais o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, o congresso que teve início hoje congrega seis palestras internacionais, duas exposições, visitas guiadas, concertos e recriações históricas.

Subordinado ao tema "Conhecimento e Mercantilismo", conta com a presença especialistas da área como António dos Santos Pereira, Carlos Madaleno, Décio Ruivo Martins e José Eduardo Horta Correia, que estarão reunidos, na sexta-feira, a partir das 10:00, no anfiteatro das sessões solenes da Universidade da Beira Interior.

Do programa consta ainda a inauguração, no sábado, às 10:00, do "Jardim do Conhecimento", que resulta da reabilitação de uma zona atrás do edifício da câmara e que integrará um painel que representa quatro covilhanenses que se distinguiram nas áreas das ciências naturais, ciências humanas, artes plásticas e ciências históricas.

Criada em 2001, a AiCEi é uma associação sem fins lucrativos, de caráter internacional, que conta atualmente com 17 membros e visa estabelecer-se como um ponto de ligação entre cidades e entidades que cresceram sob a égide dos valores materiais e imateriais do período do Iluminismo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.