sicnot

Perfil

Cultura

Arranca 6ª feira em Lisboa o Festival Utopia, em defesa do jornalismo

www.facebook.com/festivalutopia.pt/

Concertos, debates, sessões de DJ, arte urbana e uma edição especial do Governo-Sombra compõem o primeiro Festival Utopia, que decorre entre sexta-feira e domingo no jardim da Amnistia Internacional, em Campolide, Lisboa, em defesa do jornalismo.

Em comunicado hoje divulgado, o Sindicato dos Jornalistas indica que o objetivo do festival, que o aliou, juntamente com a Casa da Imprensa e o Clube dos Jornalistas, à Átomo - Cooperativa Cultural e Social e à junta de freguesia de Campolide, pretende angariar fundos para a realização do IV Congresso dos Jornalistas, em janeiro do próximo ano, quase duas décadas depois do último.

Sob o lema "Pela dignificação do Jornalismo", o Festival Utopia quer "juntar jornalistas e cidadãos na defesa da causa do jornalismo, que tem como missão servir os cidadãos e contribuir para o bem-estar social", lê-se no documento.

Porque "é preciso avisar toda a gente de que, sem jornalistas, não há jornalismo e, sem jornalismo, não há democracia", como sublinha o sindicato, o festival promove três debates sobre temas como "(Des)confiança", "Missão Possível" e "Bastidores".

O primeiro, intitulado "(Des)confiança", reúne no sábado, às 15:00, os jornalistas Sandra Monteiro (Le Monde Diplomatique), Helena Garrido (freelancer) e José Vítor Malheiros (ex-jornalista e colunista).

Sobre a "Missão Possível", conversam às 17:30 os jornalistas Ana Luísa Rodrigues (RTP), Paulo Pena (Público, Investigate Europe), Tiago Carrasco (freelancer) e Paula Cordeiro (provedora do ouvinte).

Para falar sobre "Bastidores", no domingo, pelas 15:00, estarão presentes Mário Cruz (fotojornalista da Lusa, premiado pela World Press Photo), Sandra Felgueiras (RTP) e Micael Pereira (Expresso, International Consortium of Investigative Journalists).

O quarteto do Governo-Sombra - Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia, João Miguel Tavares e Carlos Vaz Marques - fará uma edição especial do programa na sexta-feira, pelas 19:00, seguindo-se concertos de João Afonso, Samuel, Jorge Rivotti e UHF e sessões de música com os DJ Fernando Alvim e Filipe Pedro.

No sábado, a partir das 21:00, o Festival Utopia conta com atuações dos Osso Vaidoso (Ana Deus e Alexandre Soares), João Lima, Helena Sarmento, António Portanet e Sebastião Antunes e, depois, música a cargo dos DJ Luís Varatojo e Cláudia Marques Santos.

No domingo, às 18:00, sobe ao palco Janita Salomé, seguido de Filipe Raposo, Ela Vaz, Quiné Teles e, a terminar a noite, os Andarilho 2.0 (Rui Oliveira e DJ Deão).

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.