sicnot

Perfil

Cultura

Arte da falcoaria em Portugal declarada Património da Humanidade

A decisão foi hoje tomada durante a reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que decorre até sexta-feira, em Adis Abeba, na Etiópia, anunciaram os promotores da candidatura.

Inicialmente era esperada a classificação na quarta-feira, tendo a decisão sido adiada para hoje.

A candidatura foi apresentada, em 2015, à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, no distrito de Santarém, em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT-AR), a Universidade de Évora e a Associação Portuguesa de Falcoaria.

A falcoaria entrou para a Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da UNESCO em 2010, na sequência de uma candidatura liderada por Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), que, pela primeira vez na história da organização, juntou 11 países - Bélgica, República Checa, França, Coreia, Mongólia, Marrocos, Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Síria e Emirados Árabes Unidos.

Em 2012, a UNESCO estendeu o reconhecimento de Património da Humanidade à falcoaria praticada na Áustria e na Hungria, tornando-se Portugal o 14.º país a ver reconhecida a importância desta prática.

A candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, em colaboração com a Associação Portuguesa de Falcoaria (APF) e a Universidade de Évora e a parceria da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT-AR), lembra que a falcoaria constitui "uma das mais antigas relações entre o homem e a ave", com mais de 4.000 anos.

Foi a prática da falcoaria que levou a família real portuguesa a passar longos períodos no concelho de Salvaterra de Magos, zona privilegiada para a caça, tendo, no século XVIII, D. José I mandado construir a Falcoaria Real, que se tornou "local de encontro de falcoeiros oriundos de vários pontos da Europa".

De arquitetura pombalina, orientada pelo arquiteto Carlos Mardel, e influências das falcoarias holandesas da época, o edifício, considerado "exemplar único na Península Ibérica", foi resgatado da ruína pelo anterior executivo municipal, liderado por Ana Cristina Ribeiro (BE), funcionando desde 2009 como "museu vivo".

O atual executivo, presidido por Hélder Esménio (PS), registou em 2014 a marca "Salvaterra de Magos -- Capital Nacional da Falcoaria" e deu continuidade ao projeto de candidatura a Património da Humanidade, que agora foi aprovado.

Para o presidente da APF, Pedro Afonso, o reconhecimento da importância da falcoaria portuguesa é "determinante" para que a prática não desapareça, esperando que haja agora maior sensibilidade para resolver questões como o acesso dos falcoeiros às Zonas de Caça e a redução da burocracia, nomeadamente no registo das aves.

O presidente da Câmara de Salvaterra de Magos, que se deslocou a Adis Abeba para acompanhar o momento da decisão do comité da UNESCO, acredita que o reconhecimento internacional irá dar visibilidade a um património que "orgulha" os salvaterrenses, atraindo não só visitantes ao território, mas também investigadores e estudiosos desta temática.

António Ceia da Silva, presidente da ERT-AR, disse à Lusa que a falcoaria se junta, assim, aos produtos que respondem à procura de destinos identitários que o turista do tempo atual procura e que esta entidade de turismo tem procurado desenvolver, na convicção de que "a classificação é um fator promocional muito forte".

"Valorizar a falcoaria e Salvaterra de Magos vai incrementar em muito o turismo. Com a classificação criam-se dinâmicas, rotas, percursos, torna-se o património um valor para o território", afirmou.

Pedro Afonso lembra que a falcoaria, praticada em todo o país por uma centena de falcoeiros, se rege desde sempre por princípios como o respeito pela ave, que mantém as suas características selvagens, pelo ambiente, pela presa capturada, pela prevalência da beleza do lance de caça em plena natureza sobre o ato em si, o que faz com que este seja um método de caça "ecológico", com muito poucas presas, realçando ainda a parceria que se estabelece entre o falcoeiro e o animal.

Com Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59