sicnot

Perfil

Cultura

Novo álbum de Astérix sai em outubro e a estrela é Obélix

Jean-Yves Ferri e Didier Conrad.

© Charles Platiau / Reuters

Um novo álbum de banda desenhada de Astérix o Gaulês vai ser apresentado no mercado a 19 de outubro e terá Obélix como estrela, anunciou esta sexta-feira a editora francesa Albert-René.

Este 37.º álbum da série originalmente criada por René Goscinny e Albert Uderzo vai ser assinado pela dupla Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, que também criou "Astérix entre os Pictos" (2013), e "O papiro de César" (2015).

Este ano assinala-se o 90.º aniversário de Albert Uderzo e o 40.º aniversário da morte de René Goscinny. "Não podemos revelar a ação, mas podemos avançar que haverá uma viagem ao estrangeiro, como pede a tradição de alternância", segundo uma citação dos autores revelada pelo editor.

"Após terem ficado na Gália (atual França) no ´Papiro de César´, os nossos heróis vão embarcar, desta vez, numa aventura para lá das suas fronteiras. No programa: visita de monumentos históricos, descobertas gastronómicas e outros encontros com os autóctones e celebridades", acrescentam os autores.

O editor prometeu ainda "aventura, humor, personagens saborosas e situações rocambolescas, todos os ingredientes que serão reunidos para fazer desta viagem de Astérix e de Obélix um futuro grande clássico de banda desenhada para partilhar em família".

Acrescentou que o herói desta 37.ª aventura "não será forçosamente aquele que se espera".

Uma parte dos desenhos revelados hoje dão a entender que Obélix, cansado de estar sempre a transportar menires, sonha tornar-se um guerreiro e poderá ter um papel mais importante na história.

As aventuras de Astérix, o Gaulês, publicadas pela Albert-René, uma filial do grupo Hachette, constituem o maior sucesso da edição francófona, com cerca de 370 milhões de álbuns vendidos em 110 línguas e dialetos desde a sua criação, em 1959.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares