sicnot

Perfil

Cultura

Grande auditório do CCB abre-se aos "Mestres do Fado"

SIC

Seis fadistas, todos com mais de 50 anos de carreira, entre eles António Rocha e Maria Amélia Proença, atuam na próxima sexta-feira no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

."Neste concerto reúnem-se vozes veteranas do fado, homens e mulheres, com estilos absolutamente distintos e que deixaram escola neste universo musical", afirma, em comunicado, o Museu do Fado.Intitulado "Os Mestres", o espetáculo, no âmbito do projeto "Há Fado no Cais", uma parceria entre o Museu do Fado e o CCB, apresenta António Rocha, Artur Batalha, Filipe Duarte, Nuno de Aguiar, Maria Amélia Proença, Maria Armanda, Maria da Nazaré e Cidália Moreira.Os fadistas são acompanhados pelos músicos Ângelo Freire, na guitarra portuguesa, Diogo Clemente, na viola, pelo diretor musical do espetáculo, Marino de Freitas, na viola baixo, e ainda por um quarteto de cordas.Maria Amélia Proença começou a cantar o fado ainda menina, tendo ganhado a Taça Amália Rodrigues aos oito anos, e, 65 anos mais tarde, o Prémio Amália Rodrigues Carreira, em 2011. A fadista assinala a presença praticamente em todos os elencos das casas de fado, nomeadamente o Café Luso, considerado "a catedral do fado", que a homenageou em 2014, o Café Mondego, Os Marialvas, Adega Mesquita, Solar da Madragoa, Senhor Vinho, e atualmente, na Parreirinha de Alfama, além de várias atuações no estrangeiro, nomeadamente no Concertgebouw, em Amesterdão, onde foi a primeira portuguesa a atuar depois de Amália Rodrigues e Maria João Pires.António Rocha, também poeta, aos 13 anos conquistou o 1.º lugar do concurso do jornal Ecos de Portugal (1951) e foi eleito "rei do fado menor" em 1959, tendo voltado a ser "coroado" oito anos mais tarde como "Rei do Fado", resultante de um concurso da revista Plateia, paralelo ao dos Reis da Rádio. Recentemente o fadista gravou um CD ao vivo nas Arcadas do Faia, sob a direção do maestro Paul van Nevel, que regularmente o convida para participar em espetáculos além-fronteiras, designadamente no Festival Laus Polyphoniae, em Antuérpia, na Bélgica.Filipe Duarte entrou no meio fadista em finais da década de 1950 através do poeta João Linhares Barbosa, que o apresentou à fadista Lucília do Carmo e o convidou para ficar a cantar no seu restaurante, O Faia.Artur Batalha iniciou carreira aos 14 anos, na Taverna do Embuçado, uma casa de fados em Alfama, que era dirigida pelo fadista João Ferreira-Rosa. Em 1971, venceu a Grande Noite do Fado no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Em 2010 gravou com Mariza o tema "Promete, Jura".Maria da Nazaré recebeu o Prémio Carreira da Casa da Imprensa, em 2003, e o Amália para a Melhor Intérprete em 2013. Maria da Nazaré começou cedo a cantar e aos 17 foi contratada pela ex-Emissora Nacional, onde atuou com regularidade, nomeadamente no programa "Serões para Trabalhadores".Maria Armanda editou no ano passado um novo álbum e completa, em 2017, 50 anos de carreira artística, contando como início de carreira a sua participação na Grande Noite do Fado, em Lisboa, em 1967, ano em gravou o primeiro vinil de 45 rotações "O Meu Soldadinho". Esta fadista fez parcerias com poetas como José Carlos Ary dos Santos, autor de "Mãe Solteira" e "Criança Negra", e Mário Rainho, autor, entre outros, de "Os Loucos" e "Velho Marinheiro".Nuno de Aguiar é o nome artístico de Concórdio Henriques de Aguiar, que começou a cantar, como a maioria dos seus companheiros de palco, em criança, mas profissionalizou-se em 1960, depois de ter ganhado o concurso "Primavera no Fado", no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Um dos seus maiores êxitos é o fado "Bairro Alto", do qual é autor da melodia, segundo o Museu do Fado. O fadista assina, aliás, outros temas do seu repertório como a letra de "Trindade do nosso fado".Cidália Moreira, Prémio Amália Rodrigues Melhor Intérprete em 2005, iniciou a carreira, profissionalmente, em 1963, no restaurante típico A Viela, em Lisboa. "Os rios correm para o ar", "Falta aqui uma ceifeira", "Lisboa meu amor", "Amar, amar, perdidamente" são alguns dos seus êxitos.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59