sicnot

Perfil

Cultura

Governo disponibiliza 500 mil euros para festivais amigos do ambiente

O Governo apresenta, na segunda-feira, o programa Sê-lo Verde, através do qual irá atribuir aos promotores de festivais incentivos à adoção de práticas de redução de impacto ambiental no valor de 500 mil euros, foi esta quinta-feira anunciado.

"O Programa pretende incentivar a evolução do perfil ambiental dos festivais, o que se traduz na adoção de critérios que favoreçam a redução de impactes e que promovam o uso eficiente de recursos materiais e energéticos", refere o Ministério do Ambiente num comunicado hoje divulgado.

O Sê-lo Verde, "suportado por verbas do Fundo Ambiental 2017, atribuirá, aos Promotores dos Festivais, incentivos à adoção de boas-práticas, num valor total de 500.000 euros".

De acordo com a tutela, "através destas medidas pretende-se contribuir para a educação e sensibilização ambiental do público nacional e internacional, assim como dos grupos de interesse envolvidos" como promotores, municípios e marcas, por exemplo.

O processo, desde a receção e avaliação das candidaturas até à atribuição do apoio financeiro, será acompanhado pelo Ministério do Ambiente, que acompanhará também "a implementação das medidas e apreciação dos resultados alcançados".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.