sicnot

Perfil

Cultura

Catarina Martins critica o "vergonhosamente baixo" orçamento para a Cultura

ANT\303\223NIO COTRIM

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou este domingo o "vergonhosamente baixo" orçamento para a área da cultura do atual Orçamento do Estado, sublinhando que é "igual, se não pior, aos orçamentos para a cultura do tempo do PSD/CDS".

"O Orçamento do Estado para a cultura não só é vergonhosamente baixo e igual, se não pior, aos orçamentos para a Cultura do tempo do PSD/CDS, como não se regista nenhuma evolução, nem no que diz respeito à forma como se encaram os equipamentos públicos de cultura, nem o tecido profissional da cultura, nem mesmo a saudável, democrática e transparente forma de se poder distribuir os poucos e escassos meios que existem para a cultura", afirmou a líder bloquista, Catarina Martins, no encerramento da sessão pública "Viver a Cidade -- o que fazer com a Cultura?", organizada no Porto pelo BE.

Assegurando que "para o BE a política cultural não está esquecida", Catarina Martins garantiu que o Bloco fará "tudo, não apenas do ponto de vista da disputa local nas eleições autárquicas, mas também no debate no Parlamento, para que a cultura não fique de fora e possa ter, pelo menos, um orçamento um pouco mais decente".

Para Catarina Martins, "é um problema" para Portugal "que a cultura continue de fora do acordo para parar o empobrecimento do país" e esquecida nas políticas públicas.

A este propósito, a coordenadora bloquista criticou a líder do CDS-PP, Assunção Cristas - que é candidata à Câmara de Lisboa e apoiante de Rui Moreira no Porto - por "recentemente, ao olhar "para uns terrenos onde se pode construir", ter tido a "ideia fantástica" de sugerir que nessa construção houvesse "apartamentos para arrendar com rendas entre os 500 e os 1.300 euros", que considerou um preço "já adequado" por se tratar de "uma zona servida de transportes públicos e serviços públicos".

Comentando que "a renda mais baixa para um T0 já começava acima do salário mínimo líquido", pelo que "um T2 custará certamente mais do que é o salário médio líquido em Portugal", a líder do BE criticou que "para a direita" seja "normal que quem trabalha a tempo inteiro e recebe o salário médio não possa viver nos sítios das cidades onde há transportes e serviços públicos".

"Onde pode então viver quem faz este país", questionou, defendendo a "responsabilidade das políticas públicas centrais e locais" no assegurar de "rendas controladas que respondam ao que as pessoas possam efetivamente pagar tendo em conta os seus salários", em oposição a "esta ideia de que só têm acesso às cidades os privilegiados".

E, sustentou, se a proposta de Assunção Cristas "de que rendas razoáveis é entre 500 e 1.300 euros" prova que "a direita que aumentou o preço das rendas no país será incapaz de dar uma resposta pelo direito das pessoas, da mesma forma também o Partido Socialista não [o] é, como se vê com Medina em Lisboa ou com o apoio a Rui Moreira no Porto".

Sustentando que "a conquista do direito à cidade é feita à esquerda", a líder do Bloco defendeu que "o direito à cidade e à habitação depende, em grande medida, da força que o BE possa ter nas próximas eleições autárquicas".

Também presente no encerramento da sessão pública, o candidato bloquista à Câmara do Porto nas autárquicas do próximo outono, João Semedo, criticou a atual "política espetáculo, da fantasia e da ilusão", ironizando que se "há uns anos" o então autarca do Porto Rui Rio responderia à questão "o que fazer com a cultura tirando do bolso uma máquina calculadora", o atual presidente da Câmara, Rui Moreira, "tirava uma 'selfie'".

Afirmando que a sua candidatura convidará "a ver para além da cortina da ilusão", Semedo criticou a pressão gerada pelo crescimento do turismo no Porto, considerando que mais do que uma "economia que beneficia a cidade", é "um negócio que beneficia alguns".

Na sua intervenção, o ex-coordenador do BE considerou "estranho" que CDS-PP e PS apoiem o mesmo candidato à Câmara do Porto - o independente Rui Moreira - e assegurou que a sua candidatura assentará numa "proposta e num projeto socialistas" que pretendem mobilizar "os socialistas e a esquerda".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.