sicnot

Perfil

Cultura

Paul Auster, Ali Smith e George Saunders entre os seis finalistas do Man Booker Prize

Paul Auster finalista do Man Booker Prize com "4 3 2 1"

Vincent West / Reuters

Os escritores Paul Auster, Emily Fridlund, Mohsin Hamid, Fiona Mozley, George Saunders e Ali Smith são os seis finalistas do Prémio Man Booker, a atribuir em outubro à melhor obra de ficção escrita em língua inglesa.

O anúncio foi feito hoje e a lista inclui "4 3 2 1", de Paul Auster, "History of Wolves", de Emily Fridlund, "Exit West", de Mohsin Hamid, "Elmet", de Fiona Mozley, "Lincoln no Bardo", de George Saunders, e "Outono", de Ali Smith.

Entre as obras finalistas, estão publicados em Portugal os livros de Paul Auster, Ali Smith e George Saunders.

Nesta edição do Man Booker prize, ficaram para trás "Days Without End", de Sebastian Barry, "Solar Bones", de Mike McCormack, "Reservoir 13", de Jon McGregor, "O Ministério da Felicidade Suprema", de Arundhati Roy, "Home Fire", de Kamila Shamsie, "Swing Time", de Zadie Smith, e "A Estrada Subterrânea", por Colson Whitehead.

O júri do prémio Man Booker deste ano é presidido por Lola Young, antiga professora de Estudos Culturais da Universidade de Middlesex e responsável cultural da Autoridade da Grande Londres.

Entre os membros do júri encontram-se ainda as escritoras Lila Azam Zanganeh e Sarah Hall, bem como o artista Tom Phillips e o presidente da Real Sociedade Literária britânica, Colin Thubron.

Os membros do júri consideraram que os romances, cada um à sua maneira, desafiam e alteram suavemente os preconceitos - sobre a natureza do amor, sobre a experiência do tempo, sobre questões de identidade e até mesmo a morte.

A lista dos finalistas, que apresenta três mulheres e três homens, abrange uma ampla gama de assuntos, desde a luta de uma família que tenta manter a sua autossuficiência na Inglaterra rural, até uma história de amor entre dois refugiados que tentam fugir de uma cidade sem nome, na agonia de guerra civil.

No quarto ano em que o prémio foi aberto a escritores de qualquer nacionalidade, a lista é composta por dois escritores britânicos, um britânico-paquistanês e três americanos.

"Com seis livros únicos e audazes que coletivamente pressionam as fronteiras da convenção, a lista curta deste ano reconhece autores estabelecidos e introduz novas vozes na cena literária. Jocosos, sinceros, inquietantes, ferozes: aqui está um conjunto de romances de tradição, mas também radicais e contemporâneos. O alcance emocional, cultural, político e intelectual destes livros é notável, e as formas como desafiam o nosso pensamento são um testemunho do poder da literatura", considerou Lola Young.

Ali Smith faz parte da lista do Booker pela quarta vez, enquanto Fiona Mozley figura como a mais jovem autora da lista, com 29 anos, e uma das duas estreantes na corrida ao prémio, juntamente como Emily Fridlund, de 38 anos.

Os outros dois autores americanos são Paul Auster e George Saunders, o primeiro, de 70 anos, com o romance mais longo da lista, que lhe levou três anos e meio, trabalhando seis dias e meio por semana, a ser escrito, enquanto George Saunders, contista, se estreia com o seu primeiro romance.

O prémio Man Booker, no valor de 50 mil libras (mais de 56 mil euros), distingue anualmente um livro de ficção escrito em inglês e publicado no Reino Unido no ano do galardão, independentemente da nacionalidade do autor.

O vencedor vai ser anunciado no dia 17 de outubro.

Em 2016, o Prémio Man Booker foi atribuído ao norte-americano Paul Beatty, com o romance "O Vendido" ("The Sellout"), que chegou às livrarias portuguesas no passado mês de maio.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15