Cultura

Ministro da Cultura destaca "reconhecida carreira" de Laura Soveral

Facebook - Academia Portuguesa de Cinema

A atriz Laura Soveral, hoje falecida aos 85 anos, é um "nome incontornável do cinema, do teatro e da televisão" que protagonizou "uma reconhecida carreira", afirma o ministro da Cultura, numa nota de pesar.

Luís Filipe de Castro Mendes "lamenta profundamente a morte de Laura Soveral", "nome incontornável do cinema, do teatro e da televisão", lê-se no comunicado divulgado pelo Ministério da Cultura, que traça brevemente o percurso da atriz.

"Deu os primeiros passos no teatro em Lisboa, para onde veio estudar Filologia Germânica na Faculdade de Letras", recorda o ministro que assinala a estreia da atriz em 1964, com o Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila.

"Fez uma reconhecida carreira em vários teatros nacionais e trabalhou com companhias como A Barraca, Teatro Experimental de Cascais, Teatro da Cornucópia ou Novo Grupo/Teatro Aberto, participando em encenações como 'O Avarento', 'A Casa de Bernarda Alva', 'O Processo de Kafka', 'D. Quixote' e 'Primavera Negra'", lê-se na nota ministerial.

Castro Mendes refere ainda que a atriz "esteve presente em quase cinquenta anos de cinema português e foi filmada por realizadores de várias gerações, de Manoel de Oliveira, Fernando Lopes, José Álvaro Morais, João Botelho, Bruno de Almeida, a Miguel Gomes e Marco Martins", e "fez também uma intensa carreira na televisão".

A atriz Laura Soveral, de 85 anos, morreu hoje, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse à Lusa fonte da família.Fez a derradeira atuação em teatro, em 2013, com "O Público", sobre textos de Federico García Lorca, com encenação de António Pires, numa produção conjunta do Teatro do Bairro, com o Teatro São Luiz, em Lisboa.

A telenovela "Belmonte", emitida pela TVI em 2014, foi a última em que participou.

No cinema, as últimas atuações de Laura Soveral, depois de "Tabu", de Miguel Gomes, passaram por "Cadências Obstinadas", de Fanny Ardant, e "Os Maias - Cenas da Vida Romântica", de João Botelho.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a com o prémio de carreira, em 2013, e com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português, em 2017.

Na altura, a academia disse que Laura Soveral representa "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.