sicnot

Perfil

Desporto

Relatório independente acusa antigos dirigentes da UCI de protegerem Lance Armstrong

Um relatório elaborado por uma comissão independente considera que alguns dos antigos dirigentes da União Ciclista Internacional (UCI) protegeram Lance Armstrong nos escândalos de 'doping' para tentarem salvar a reputação da modalidade.

Reuters

No relatório hoje divulgado, a Comissão Independente para a Reforma do Ciclismo (CIRC) considera que "houve um tratamento preferencial" ao norte-americano, vencedor de sete edições da Volta a França.

"A UCI viu-o como uma figura ideal para o renascimento do ciclismo depois do escândalo com a Festina, em 1998", refere o relatório, considerando que a nacionalidade de Armstrong abriu um novo continente ao ciclismo e a sua condição de sobrevivente a um cancro rapidamente "o transformou numa estrela".

Segundo o documento, "a UCI não conseguiu perceber que Armostrong, o herói que sobreviveu a um cancro e era um ídolo para os adeptos, tinha os mesmos direitos e obrigações" de qualquer outro ciclista.

O atual presidente da UCI, Brian Cookson, referiu que o relatório mostra que, no passado, o organismo "sofreu bastante com a má governação de indivíduos que tomaram decisões cruciais, que minaram os esforços de luta contra o 'doping'".

Cookson, que assumiu a presidência da UCI em 2013, não referiu nomes, mas o relatório aponta 'o dedo' aos dois anteriores presidentes da UCI, Hein Verbruggen e Pat McQuaid.

Apesar de não ter encontrado ligação entre doações, no valor de 125.000 dólares, feitas por Armostrong à UCI e o encobrimento de atos ilícitos do ciclista, a comissão considera que tais atos levantam suspeitas.

Segundo o relatório, Armostrong foi autorizado em 1999 a entregar, com efeitos retroativos, uma receita médica para evitar uma sanção na Volta a França, quando quatro dos 15 testes realizados acusaram consumo de corticosteroides.

O documento refere também que em 2009, quando Armstrong regressou à competição, foi autorizado a competir no Tour Down Under, na Austrália, sem ter efetuado todos os testes necessários.

Citando um especialista, o relatório indica que existem "acusações sérias" de que alguns ciclistas pagavam uma espécie de imposto 'antidoping' para evitar testes.

A CIRC foi constituída com o apoio da UCI e do seu atual presidente para investigar a atuação do organismo durante o caso Lance Armstrong.

Em outubro de 2012, o ciclista foi irradiado do desporto e perdeu as sete vitórias na Volta a França (conseguidas entre 1999 e 2005), depois de a Agência Antidopagem dos Estados Unidos (USADA) ter comprovado o seu envolvimento no que considerou o "mais sofisticado sistema de dopagem da história do desporto". 

Em janeiro de 2013, o texano confessou o recurso ao doping numa entrevista televisiva e admitiu que em 1995 o recurso ao doping estava completamente generalizado
  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Casos de cancro nos pulmões diminuem
    3:08

    País

    O mapa do cancro em Portugal está a mudar, pela primeira vez os casos de cancro do cólon ultrapassaram os do pulmão. A proibição de fumar em locais públicos tem levado à diminuição dos casos de tumores pulmonares.

  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28