sicnot

Perfil

Desporto

Cinco jogadores acusados de combinação de resultados em Espanha

Cinco antigos futebolistas do Betis, Osasuna e Espanyol foram hoje formalmente acusados de participação num esquema de combinação de resultados por um juiz do tribunal de Pamplona, em Espanha.

Jordi Figueras (à direita) é um dos cinco ex-futebolistas acusados de combinação de resultados em Espanha.

Jordi Figueras (à direita) é um dos cinco ex-futebolistas acusados de combinação de resultados em Espanha.

© Marcelo del Pozo / Reuters

Patxi Puñal, antigo capitão do Osasuna, Sergio García, ex-jogador do Espanyol e Jordi Figueras, Jorge Molina e Antonio Amaya, todos antigos futebolistas do Betis, terão de responder em tribunal, em conjunto com mais 12 pessoas envolvidas no processo.

O caso envolve vários jogos ao longo das últimas épocas que envolvem o Osasuna, clube do qual partiu a denúncia e que alega terem sido também desviados ilegalmente das suas contas perto de 2,4 milhões de euros.


Lusa
  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".