sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto volta ao trabalho sem 11 internacionais

O FC Porto voltou hoje ao trabalho desfalcado de 11 futebolistas internacionais, pelo que 10 elementos da equipa B foram chamados por Julen Lopetegui para iniciar a preparação do jogo com o Marítimo.

(Arquivo)

(Arquivo)

Lusa

A visita aos madeirenses, a 2 de abril, para a meia-final da Taça da Liga, começou a ser preparada no Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia sem boa parte da equipa habitualmente titular, com 11 elementos ao serviço de diversas seleções.

Os defesas Danilo (Brasil), Martins Indi (Holanda) e Reyes (México), os médios Herrera (México), Óliver Torres (Espanha sub-21) e Rúben Neves (Portugal sub-21) e os avançados Brahimi (Argélia), Quaresma (Portugal), Quintero (Colômbia), Aboubakar (Camarões) e Ricardo (Portugal sub-21) estão ao serviço das respetivas seleções.

O extremo espanhol Tello esteve ausente por motivos pessoais, enquanto o compatriota Adrián López, que recupera de lesão, realizou treino condicionado e trabalho de ginásio. 

O colombiano Jackson Martínez realizou tratamento e fez trabalho de ginásio, enquanto o espanhol Campaña, a contas com uma tendinite no adutor direito, também ficou pelo ginásio.

Estas ausências permitiram aos defesas David Bruno, Zé António, Leander Siemann e Diego Carlos, aos médios Leandro Silva, João Graça e Pité e aos avançados Roniel, Frédéric e Anderson, todos da equipa "B", mostrar-se ao treinador.

O FC Porto volta a treinar quarta-feira, novamente no Olival, às 10:30, com 15 minutos abertos à comunicação social.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.