sicnot

Perfil

Desporto

"Se Ronaldo mexeu nos testículos deve ser sancionado"

O presidente da Liga espanhola de futebol profissional, Javier Tebas, afirmou hoje que "Ronaldo ou qualquer outro jogador da liga que mexa nos testículos deve ser sancionado".

© Paul Hanna / Reuters

"Não podemos permitir que se façam esses gestos, é preciso eliminá-los do futebol", disse Tebas, no final da Assembleia Geral da LFP, apesar de admitir que desconhece o código disciplinar da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

Cristiano Ronaldo mexeu nos testículos durante o encontro entre o FC Barcelona e o Real Madrid (2-1), enquanto se dirigia ao árbitro, que o tinha admoestado com um cartão amarelo.

Segundo Tebas, o jogador do Real Madrid, que viu o cartão cinco minutos depois de ter apontado o golo dos madridistas, terá feito o gesto, enquanto dizia ao árbitro: "Mateu, gostas é?".

O presidente da LFP considerou, por outro lado, que disputar o Mundial 2022, no Qatar, nos meses de novembro e dezembro vai "trazer danos tremendos para as ligas europeias".

Tebas explicou que as ligas europeias vão reunir, na quinta-feira, em Genebra, para debater o assunto, e não descartou a hipótese de apresentar uma queixa junto do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

O Comité Executivo da FIFA anunciou na quinta-feira que o Mundial2022 vai ser disputado em novembro e dezembro de 2022, com a final marcada para 18 de dezembro.



Lusa
  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.