sicnot

Perfil

Desporto

Luís Figo insiste num novo sistema de distribuição das receitas da FIFA

O português Luís Figo, candidato às próximas eleições da FIFA, irá apresentar no congresso da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas (CONCACAF) um novo sistema de distribuição das receitas dos Campeonatos do Mundo de futebol, de forma a beneficiar as federações mais necessitadas.

"Espero ter conseguido convencê-los a apoiar-me", disse Luís Figo à agência EFE à saída do congresso que reconduziu o paraguaio Juan Angel Napout como presidente da CONMEBOL para os próximos quatro anos.

"Espero ter conseguido convencê-los a apoiar-me", disse Luís Figo à agência EFE à saída do congresso que reconduziu o paraguaio Juan Angel Napout como presidente da CONMEBOL para os próximos quatro anos.

© Jorge Adorno / Reuters

O antigo internacional português terá a ocasião de apresentar o seu programa de candidatura no próximo dia 16 de abril, no congresso da CONCACAF, que se realiza em Nassau, e no qual contará com o apoio do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes.

"Proponho que 300 milhões de dólares (cerca de 280 milhões de euros) sejam repartidos entre as federações que mais necessitem, de forma a financiar a construção de infraestruturas futebolísticas concretas", afirmou em declarações à agência EFE.

Segundo os cálculos do português, em vez dos 375 mil dólares (350 mil euros)que cada membro recebe atualmente, cada federação passaria a receber 2 milhões de dólares (1,9 milhões de euros) por ano.

As eleições para a presidência do organismo que rege o futebol mundial realizam-se a 29 de maio, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

Além de Figo, concorrem à presidência da FIFA o suíço Joseph Blatter, considerado o principal favorito à reeleição para um quinto mandato, o príncipe Ali bin Al Hussein, da Jordânia e vice-presidente do organismo para a Ásia, e Michael van Praag, líder da federação holandesa.

Lusa

  • Luís Figo diz que a imagem da FIFA se tem degradado
    0:51

    Desporto

    Candidato à presidência da Fifa, Luís Figo disse, esta segunda-feira, que a imagem do organismo máximo do futebol mundial se tem degradado. Foram as declarações do ex-internacional português em campanha na capital do Egito. É no Cairo que estão os três candidatos em busca de apoios, já que é lá que decorre, esta terça-feira, o congresso da confederação de futebol africano.

  • Luís Figo quer mais transparência e modernização no futebol
    1:53

    Desporto

    Luís Figo, ex jogador e candidato à presidência da FIFA, considera essencial uma mudança de rumo à atual gestão de Joseph Blatter. À margem do congresso da UEFA, em Viena, Figo defendeu ser urgente uma maior transparência e modernização no futebol mundial. Segundo o ex jogador se nada mudar serão mais quatro anos perdidos.

  • Luís Figo quer FIFA "mais democrática"

    Desporto

    O ex-futebolista internacional português e candidato a presidente da FIFA, Luís Figo, Bola de Ouro em 2000, apelou hoje, em Viena, a uma maior democratização do organismo que tutela o futebol mundial.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.