sicnot

Perfil

Desporto

Jurgen Klopp abandona Borussia Dortmund no final da temporada

O treinador Jurgen Klopp anunciou hoje, em conferência de imprensa, que vai abandonar o Borussia Dortmund no final da temporada, depois de sete temporadas no comando do emblema do campeonato alemão de futebol.

© Alessandro Bianchi / Reuters

O técnico germânico, de 47 anos, pegou na equipa em 2008, numa altura em que o clube passava por uma grave crise financeira, e conquistou duas bundesligas (2010-11 e 2011-12) e uma Taça da Alemanha (2011-2012), tornando-se no primeiro treinador da história do Borussia a conquistar o campeonato e taça na mesma temporada.

Em 2013, Klopp apurou o Dortmund para a final da Liga dos Campeões, tendo na altura perdido para o Bayern Munique, no Estádio de Wembley, em Londres.

"Eu sempre disse que quando sentisse que não era o treinador perfeito para esta equipa extraordinária, que saia. Acredito que é a decisão certa no momento certo. Não tenho qualquer ligação ou contrato com outro clube, mas também não tenho planos de fazer uma interrupção na minha carreira", afirmou Jurgen Klopp.

O antigo avançado, que fez grande parte sua carreira no Mainz, clube em que depois iniciou a carreira de treinador, abandona Dortmund também com duas Supertaças germânicas no currículo (2013 e 2014), dois segundos lugares na Bundesliga (2012-13 e 2013-14) e uma final da Taça da Alemanha em que saiu derrotado (2013-13).

Esta temporada, o Borussia Dortmund está a fazer um percurso bastante irregular, tendo já mesmo ocupado o último lugar da Bundesliga. Atualmente, segue na 10.ª posição da prova, a seis pontos dos lugares de acesso às competições europeias.

"Achei que devia anunciar a minha decisão nesta altura, para que o clube consiga preparar da melhor forma a próxima temporada", explicou.

Klopp decidiu abandonar o clube apesar de ter contrato até 2018.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.