sicnot

Perfil

Desporto

Ancelotti diz que médico da seleção croata é "um extraterrestre"

O italiano Carlo Ancelotti disse hoje que o médico da seleção croata, Boris Nemec, só pode vir de outro planeta, depois de este ter acusado o treinador do Real Madrid de ser responsável pela lesão de Luka Modric.

Treinador do Real Madrid, Carlo Ancelotti (Reuters/ Arquivo)

Treinador do Real Madrid, Carlo Ancelotti (Reuters/ Arquivo)

© Andrea Comas / Reuters

"Parece que ele vem de outro Mundo, um extraterrestre", disse o treinador italiano, apontando que o jogador esteve 90 minutos em campo no jogo da Croácia frente à Noruega e que o jogo já estava ganho.

Carlo Ancelotti respondia assim ao facto de o médico ter dito que a "lesão é provocada pela fadiga" e que o treinador 'merengue' é o culpado pelos problemas de saúde do médio internacional croata.

"Ele [Modric] jogou 90 minutos contra a Noruega quando o jogo estava ganho. Há lesões que podem ser prevenidas com uma melhor preparação e outras que surgem devido a contacto", justificou Ancelotti, dizendo ser esse o caso do jogador.

O treinador que falava na antevisão do jogo de quarta-feira com o Atlético Madrid, da segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões, lembrou ainda que Modric lesionou-se gravemente em novembro e quando estava a jogar pela Croácia.

O médio croata sofreu sábado, no jogo do Real Madrid frente ao Málaga (3-1), uma entorse nos ligamentos do joelho direito.

O Real Madrid não anunciou o tempo de recuperação estimado, mas a imprensa espanhola avançou que Modric poderá ficar afastado dos relvados durante seis semanas.

O jogador poderá também falhar o encontro entre a Croácia e a Itália, do grupo H de apuramento para o Europeu de 2016, agendado para 12 de junho.

Lusa
  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".