sicnot

Perfil

Desporto

Figo confiante que federações "estão dispostas a mudar" nas eleições da FIFA

O português Luís Figo, candidato à presidência da FIFA nas eleições de 29 de maio, manifestou-se esta quinta-feira confiante que as federações "estão dispostas a mudar" e a apoiar a sua candidatura.

Figo apontou como prioridades, em caso de vitória, o desenvolvimento do "futebol base", para o qual será necessária uma "melhor distribuição de fundos" entre as federações, bem como "mais transparência" na organização de cúpula do futebol mundial. (Arquivo)

Figo apontou como prioridades, em caso de vitória, o desenvolvimento do "futebol base", para o qual será necessária uma "melhor distribuição de fundos" entre as federações, bem como "mais transparência" na organização de cúpula do futebol mundial. (Arquivo)

Matt Dunham / AP

Em Madrid, à margem da gala de entrega dos prémios Condé Nast Traveler, Figo admitiu, contudo, que será um processo complicado.

"O processo é difícil, sabia-o desde o início. Continuo confiante que pode haver uma mudança e que as pessoas não terão medo da mudança", afirmou.

Figo apontou ainda como prioridades, em caso de vitória, o desenvolvimento do "futebol base", para o qual será necessária uma "melhor distribuição de fundos" entre as federações, bem como "mais transparência" na organização de cúpula do futebol mundial.

As eleições para a presidência do organismo que rege o futebol mundial realizam-se a 29 de maio, no segundo de dois dias do congresso da FIFA, em Zurique, na Suíça.

Além de Figo, concorrem à presidência da FIFA o suíço Joseph Blatter, considerado o principal favorito à reeleição para um quinto mandato, o príncipe Ali bin Al Hussein, da Jordânia, e vice-presidente do organismo para a Ásia, e Michael van Praag, líder da federação holandesa.
Lusa
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.