sicnot

Perfil

Desporto

Dean Potter, a lenda do base jump, morreu num parque em Yosemite

Dean Potter, um nome conhecido dos desportos radicais, morreu, no Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia, depois de ter sofrido um acidente quando fazia base jump. Potter estava acompanhado por um amigo, que também perdeu a vida.

Tomas Ovalle

Segundo noticiaram os órgãos de comunicação americanos, Potter, de 43 anos, e Graham Hunt, de 29 anos, morreram no passado sábado depois de saltarem em Taft Point, um dos promontórios mais altos do célebre Parque Nacional californiano, noticiou a cadeia ABC que falou com um porta-voz do parque, Scott Gediman.

Os dois homens, aparentemente, tentavam fazer um salto "wingsuit" que é uma combinação que imita a forma de voar dos morcegos e na qual, depois, a pessoa fica a pairar no ar.

De acordo com outros relatos dos media, os dois homens terão atingido uma parede ao tentar voar através de uma passagem estreita entre duas montanhas, antes de abrirem os pára-quedas. Dean Potter era uma figura conhecida em muitos desportos radicais, incluindo o base jumping (um salto em queda livre a partir de um ponto fixo - um penhasco ou um prédio, por exemplo), montanhismo, escaladas ou "slackline" (uma prática semelhante a andar na corda bamba).

O site especializado em escaladas, o Climbing.com, descreve Potter como "uma das figuras mais criativas, energéticas e controversas do montanhismo moderno", recordando que ele tinha "quebrado a barreira da velocidade em subidas de solo "incluindo os principais picos de Yosemite, onde morava.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15