sicnot

Perfil

Desporto

Santos apresenta queixa na FIFA por irregularidades na transferência de Neymar

O presidente do clube de futebol brasileiro Santos anunciou esta sexta-feira que apresentou uma queixa na FIFA contra Neymar, o seu pai e o Barcelona, por alegadas irregularidades na transferência do jogador em maio de 2013.

No início de 2014, o Barcelona teve de pagar 13,5 milhões de euros à Autoridade Tributária espanhola depois de a procuradoria da Audiência Nacional ter constituído o clube arguido por crime fiscal na contratação do avançado brasileiro Neymar. (Arquivo)

No início de 2014, o Barcelona teve de pagar 13,5 milhões de euros à Autoridade Tributária espanhola depois de a procuradoria da Audiência Nacional ter constituído o clube arguido por crime fiscal na contratação do avançado brasileiro Neymar. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

"O Santos considera que o Barcelona, Neymar e a sua empresa cometeram violações do contrato de transferência e reclama uma indemnização por danos, com juros", afirmou Modesto Roma, em conferência de imprensa.

O dirigente, que entrou em funções em janeiro, afirmou que a iniciativa do Santos visa, não o antigo jogador do clube, mas apenas defender os interesses do clube na polémica transferência.

"A 31 de maio de 2013, o Santos assinou um contrato de transferência [de Neymar] por 17,1 milhões de euros, mais dois milhões de euros caso o jogador ganhasse a bola de ouro", adiantou.

"Após o inquérito em Espanha, o Santos ficou a saber que o montante pago foi realmente de 83,3 milhões de euros, através da assinatura de contratos paralelos", acrescentou.

A decisão cabe agora à Comissão de Arbitragem da FIFA, existindo ainda a possibilidade de recurso para o Tribunal de Arbitragem Desportiva (TAS).

No início de 2014, o Barcelona teve de pagar 13,5 milhões de euros à Autoridade Tributária espanhola depois de a procuradoria da Audiência Nacional ter constituído o clube arguido por crime fiscal na contratação do avançado brasileiro Neymar.

A procuradoria da Audiência Nacional estima que o crime de fraude fiscal do Barcelona ascende a 9.100.800 euros, montante obtido com base nas quantias envolvidas nas operações paralelas relacionadas com a contratação de Neymar: 10 milhões de euros em 2011 e 27,9 milhões de euros em 2013.

A 22 de janeiro, o juiz da Audiência Nacional Pablo Ruz aceitou o processo interposto por um sócio do Barcelona acerca da contratação do futebolista brasileiro Neymar, considerando que nesta pode ter existido "uma simulação contratual".

Segundo a ação, a direção do clube terá ocultado dos sócios o valor real da operação de contratação de Neymar ao clube brasileiro Santos.

De acordo com os vários contratos assinados entre as partes, o Barcelona pagou 95 milhões de euros pela contratação de Neymar e não os 57 milhões que o clube catalão declarou oficialmente.

A confirmar-se este valor, a transferência de Neymar, do Santos para o Barcelona, torna-se a mais cara de sempre da história do futebol, acima dos 94 milhões de euros pagos pelo Real Madrid pelo português Cristiano Ronaldo.

Os documentos, assinados entre novembro de 2011 e setembro de 2013, incluem comissões de vários milhões de euros destinadas à família Neymar e que até agora estavam ocultas, bem como comissões de assinatura, transferências para uma sociedade detida pelo pai do jogador (Sociedade N&N) e transferência para fundos.
Lusa
  • Obama acredita que Guterres será um bom líder da ONU
    0:53

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar de perto com os Estados Unidos na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido esta sexta-feira por Barack Obama, na Casa Branca, onde foi elogiado pelo ainda Presidente.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.